10 livros de jornalistas que viraram best sellers


O jornalismo e a literatura sempre caminharam juntos. Muitas vezes, os profissionais de imprensa resolvem trocar a atribulada rotina das redações pelo silencioso ofício do escritor. IMPRENSA listou alguns livros de jornalistas que viraram best sellers.

Redação Portal IMPRENSA | Julho de 2015
 
 
 
“CHATÔ, O REI DO BRASIL”, FERNANDO MORAIS
 

Escrito por Fernando Morais em 1994, “Chatô, o Rei do Brasil” é uma biografia de Assis Chateaubriand, fundador dos Diários Associados e o responsável por trazer a televisão ao Brasil em 1950. 

Crédito:reprodução


“A SANGUE FRIO”, TRUMAN CAPOTE


Publicado em 1966, a obra de Truman Capote conta o brutal assassinato de uma família na cidade de Holcomb, localizada no interior do Kansas, nos Estados Unidos. O livro traça desde a ideia inicial do crime até a execução dos assassinos.

Crédito:reprodução

“FAMA E ANONIMATO”, GAY TALESE


Escrito pelo pai do new journalism, o livro traz histórias sobre o cotidiano de Nova York. As quase 600 páginas mostram ainda perfis históricos de celebridades, como o do cantor Frank Sinatra. Talese também é autor de “Honra Teu Pai”, “O Reino e o Poder”, entre outros clássicos.

Crédito:reprodução

“CEM ANOS DE SOLIDÃO”, GABRIEL GARCIA MÁRQUEZ


A obra do escritor colombiano Gabriel García Márquez conta a história de Macondo, uma cidade mítica, e dos descendentes de seu fundador, José Arádio Buendía, durante um século. Lançado em 1967, a obra ganhou, em 1982, o “Prêmio Nobel da Literatura"

Crédito:reprodução



“GOMORRA”, ROBERTO SAVIANO

Traduzido e publicado no Brasil em 2009, “Gomorra” expõe os negócios da máfia italiana. O jornalista se infiltrou em setores camorristas para descobrir o funcionamento da máfia napolitana. Por isso, ficou enclausurado vários meses devido as denúncias que relevou na obra

Crédito:reprodução



TRILOGIA “1808”, “1822”, “1889”, LAURENTINO GOMES

O jornalista Laurentino Gomes tem como missão mostrar como “uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil”. “1889” conclui a sua trilogia.

Crédito:reprodução



“AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA”, EDUARDO GALEANO


Escrito pelo jornalista uruguaio Eduardo Galeano, a obra, de 1971, analisa a história da América Latina desde o período da colonização europeia até a idade contemporânea, argumentando contra a exploração econômica e a dominação política do continente.

Crédito:reprodução


“1984”, GEORGE ORWELL

Clássico do autor britânico George Orwell, o livro, publicado em 1949, retrata o cotidiano de um regime totalitário e repressivo do ano homônimo. Orwell mostra como uma sociedade oligárquica coletivista é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.

Crédito:reprodução


“ROTA 66”, CACO BARCELLOS


“Rota 66: a história da polícia que mata”, escrito pelo jornalista brasileiro Caco Barcellos, é uma investigação sobre o trabalho da Política Militar de São Paulo entre as décadas de 1970 e 1990. O repórter também denuncia a atuação da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota). A obra venceu o “Prêmio Jabuti” em 1993.

Crédito:reprodução


“ANJO PORNOGRÁFICO”, RUY CASTRO

Para escrever “O anjo pornográfico”, lançado em 1992, Ruy Castro realizou centenas de entrevistas com 125 pessoas que conheceram intimamente Nelson Rodrigues e sua família. Elas o ajudaram a reconstituir essa história biográfica.

Crédito:reprodução




     
 

Imprensa Editorial Ltda.
Fone: (11) 98204-0002 - www.portalimprensa.com.br
Caixa Postal 72022 - São Paulo - SP - CEP: 05339-970
Todos os direitos reservados