Investigação sobre relações entre desmatamento e pecuária valeu "Nobel do ambientalismo" a jornalista brasileiro

Redação Portal IMPRENSA | 29/04/2024 16:00
Secretário-executivo da Repórter Brasil, o jornalista Marcel Gomes levou o Prêmio Goldman de Meio Ambiente. Reconhecido como “Nobel do ambientalismo”, o prêmio é entregue hoje, na Califórnia. Em edições anteriores, a ministra Marina Silva e a liderança indígena Alessandra Munduruku estiveram entre os brasileiros laureados.

Gomes foi reconhecido por coordenar uma cobertura sobre os elos entre redes de supermercados da Europa e dos Estados Unidos e frigoríficos brasileiros abastecidos por pecuaristas autuados por desmatamento ilegal.

Em dezembro de 2021, após a publicação da reportagem, grandes grupos varejistas de países como Bélgica, França, Holanda e Reino Unido suspenderam a venda de carne fornecida por empresas brasileiras investigadas no trabalho jornalístico da Repórter Brasil. 
Crédito: Reprodução Repórter Brasil
Marcel Gomes foi o quinto brasileiro a ganhar o Prêmio Goldman de Meio Ambiente desde 1989
Para o jornalista, esse tipo de matéria é importantes à medida que mais transparência nas cadeias de suprimentos do agronegócio aumenta a pressão para que empresas, governos e consumidores fiquem mais atentos a práticas de produção que não sejam sustentáveis.

Cadeia de suprimentos

Em 2008, a Repórter Brasil começou a desenvolver seu sistema de rastreamento da cadeia de suprimentos de commodities brasileiras. Um dos focos do trabalho foi justamente a pecuária e a cadeia de fornecimento de gado criado em áreas de desmatamento. Em 2020, o trabalho passou a contar com a colaboração da organização internacional Mighty Earth.

O trabalho contou com visitas de pesquisadores a supermercados de países europeus, visando encontrar produtos de carne fornecidos pelas empresas investigadas.

Dentre as redes europeias de supermercados europeus que comprometeram-se a deixar de vender produtos de carne bovina das empresas investigadas estão Sainsbury’s, Albert Heijn, Lidl, Carrefour e Delhaize. 

“Este prêmio reconhece o impacto que o jornalismo pode ter para proteger o meio ambiente e, no fim, melhorar a vida das pessoas. A Repórter Brasil foi capaz de fazer o rastreamento da cadeia da carne brasileira da fazenda até os supermercados no exterior, o que empresas diziam não ser possível fazer”, finaliza Gomes.

Leia também