Manifestantes antilockdown que atacaram jornalista são condenados em Londres

Redação Portal IMPRENSA | 04/08/2022 17:46
Cinco homens e uma mulher foram condenados por atacar verbalmente, durante um protesto antilockdown realizado em junho de 2021, em Londres, o jornalista e editor de política da BBC Nicholas Watt.

O caso foi julgado no Tribunal de Westminster. Embora os envolvidos tenham negado o uso de palavras ou comportamentos ameaçadores, abusivos ou insultantes, a corte concluiu que o grupo formado por Djazia Chaib-Eddour, 44, Christopher Aitken, 62, Martin Hockridge, 58, Alexander Peat, 34, e Gary Purnell, 45, intimidou e assediou o jornalista, causando-lhe "alarme e angústia".
Crédito: Reprodução
Nicholas Watt, editor de política da BBC em Londres: atacado durante protesto antilockdown em 2021

Sexto elemento do grupo, Joseph Olswang, 40, já havia se declarado culpado em uma audiência anterior. Ele foi condenado a 20 semanas de prisão. Os demais integrantes do grupo serão sentenciados em 30 de agosto.

Segundo Jonathan Munro, diretor da BBC News, Nick Watt é um "jornalista brilhante, que estava apenas fazendo seu trabalho quando foi atacado nas ruas de Westminster". "Todos os jornalistas devem poder realizar seu trabalho sem intimidação ou impedimento e continuaremos defendendo nosso direito de fazê-lo”.

Michelle Stanistreet, secretária-geral da União Nacional de Jornalistas, a principal entidade representativa dos profissionais da imprensa inglesa, classificou o assédio a Nick como "completamente inaceitável".

"As condenações contra os responsáveis ??devem enviar uma mensagem clara de que esses ataques não ficarão impunes e de que os jornalistas não devem ser alvos de assédio em função de suas atuações profissionais."

Em seu depoimento, Watt disse que, durante o ataque, sentiu-se uma “presa” e ficou “muito assustado”. Ele tinha ido cobrir o protesto.

As imagens exibidas no tribunal mostraram Watt, que usava uma jaqueta da BBC, fugindo correndo da multidão depois que um grupo de pessoas começou a gritar com ele. Alguns dos gritos ouvidos no vídeo incluíam frases como “traidor” e “como você consegue dormir à noite?”

Abuso sexual 

Outro caso judicial envolvendo um profissional da imprensa britânica ganhou destaque essa semana. O ex-jornalista da BBC John Caine foi condenado a oito anos de prisão por ter abusado sexualmente de um adolescente na década de 1970.

Hoje com 69 anos, Caine teria abusado da vítima nos estúdios da BBC Radio. Segundo o juiz Timothy Petts, o jornalista tirou proveito de seu status social e profissional para ludibriar o adolescente. "O réu impressionou a vítima com sua personalidade, seu carro esportivo e o acesso aos bastidores da BBC Radio."