Câmara Municipal de SP promove evento em defesa de jornalistas e liberdade de imprensa

Redação Portal IMPRENSA | 22/06/2022 17:34
A Câmara Municipal de São Paulo realizou nesta terça-feira (21) uma solenidade em comemoração ao Dia do Jornalista (7 de abril) e ao Dia da Liberdade de Imprensa (7 de junho). 

Iniciativa do vereador Eliseu Gabriel, presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esportes da Câmara, o evento homenageou Julian Assange, fundador do WikiLeaks, Elifas Andreato, morto em março aos 76 anos, o Consórcio de Imprensa, que vem aferindo de forma independente o número de mortes e casos de covid-19 no Brasila, além do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.
Crédito: Reprodução Câmara-SP
O evento contou com apoio de entidades em defesa da liberdade de imprensa, como ABI (Associação Brasileira de Imprensa), Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo, Associação dos Correspondentes Estrangeiros, Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), Intervozes, Instituto Vladimir Herzog, Rede Nacional de Proteção de Jornalistas e Comunicadores, Repórteres sem Fronteiras e Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo.

Momento sombrio

Vice-presidente da ABI, Regina Pimenta classificou o atual momento como "sombrio" e protestou contra a prisão de Julian Assange. Ela também falou sobre a violência na Amazônia e a tendência de aumento de ataques contra a imprensa em função da aproximação das eleições.

"Assange corre risco extradição e morte por ter defendido nosso direito à informação. E no Brasil predomina a extrema violência contra os jornalistas. A gente vê frequentes atentados à liberdade de imprensa, estimulados pelo próprio presidente da república. Todos nós já esperávamos um recrudescimento desses ataques, à medida que se aproximam as eleições. Mas não estávamos preparados para a barbárie do assassinato de Dom Phillips e Bruno Pereira. Não foi um episódio isolado, infelizmente. Essa tem sido a dura realidade na Amazônia."   

O evento também contou com um tributo de Bento Andreato, filho de Elifas Andreato, ao pai e com a entrega do “Troféu Audálio Dantas” à jornalista Eliane Brum, pela cobertura das mortes de Dom Phillips e Bruno Pereira. Um dos textos de Eliane a respeito foi lido pela atriz Georgette Fadel.