Considerado preocupante para indústria de notícias, relatório da Reuters revela crescente desinteresse pela cobertura jornalística

Redação Portal IMPRENSA | 17/06/2022 10:45
Feita em 46 países/regiões e divulgada esta semana, a 11ª edição do Relatório de Mídia Digital do Instituto Reuters consolidou uma tendência preocupante para jornalistas e veículos de imprensa. Segundo os números da pesquisa, cada vez mais gente, em todo o mundo, está evitando acompanhar o noticiário, especialmente quando a cobertura é de temas considerados importantes, como crises políticas, conflitos internacionais, pandemias e catástrofes climáticas. 

De acordo com o relatório, o percentual de pessoas que evitam acompanhar veículos de imprensa passou de 29% para 38% nos últimos cinco anos. No Brasil o avanço foi ainda maior, com o índice passando de 27% em 2017 para 54% em 2022. 
Crédito: Reprodução
Gráfico mostra países com maiores quedas (entre 2015 e 2022) no desinteresse dos participantes da pesquisa por noticiário 
Responsável pela pesquisa, que ouviu cerca de 2 mil pessoas por país/região, num total de 96 mil participantes, Nic Newman considera os números desafiadores para a indústria de notícias, especialmente quando refletem o comportamento do público abaixo de 25 anos. Nessa faixa etária o desinteresse pela cobertura jornalística é ainda maior e redes sociais como TikTok e Instagram vêm substituindo o Facebook como fonte de informações. 

Confiança no noticiário

Na comparação com o ano anterior, quando havia se recuperado devido à cobertura da pandemia, a confiança no noticiário caiu em cerca de 50% dos países. Nos EUA, apenas 26% dos participantes afirmaram confiar no trabalho da imprensa, três pontos percentuais a menos do que ano passado. No Brasil, a queda foi de seis pontos, para 48%.
 
A pesquisa também traz um ranking de veículos de comunicação considerados mais confiáveis pelos participantes. No Brasil SBT liderou a lista pelo 2º ano consecutivo, seguido por Record News (61), jornais regionais (61) e Band News (61). 

O levantamento também apontou que 83% dos brasileiros usam canais on-line para receber notícias e 64% utilizam as redes sociais. A TV vem em seguida, com 55%, enquanto jornais impressos têm 12%.

Na lista das redes sociais mais utilizadas pelos brasileiros para se informar, o YouTube ultrapassou o WhatsApp e o Facebook, sendo usado por 43% da população como fonte de informação. 

Veja abaixo um vídeo em inglês com um resumo do trabalho:


Leia também


Covid-19 e política se misturam ao detectar desinformação no Brasil, aponta relatório da Reuters