Museu da Pessoa e Instituto Vladimir Herzog resgatam histórias da ditadura em novo projeto

Redação Portal IMPRENSA | 11/05/2022 11:08
O Museu da Pessoa e o Instituto Vladimir Herzog lançam, em parceria, o projeto 'Cotidianos Invisíveis da Ditadura', que tem como objetivo resgatar a percepção sobre como pessoas comuns viviam sobre a presença da Ditadura Militar brasileira, que durou de 1964 a 1985, no dia a dia. 

Na apresentação do projeto, o Museu destaca que "há pouquíssimas referências" sobre o dia a dia desses cidadãos.

"Baseados na metodologia da história oral, pesquisamos e entrevistamos 15 homens e mulheres cujos ricos relatos mantém viva a memória de nosso país", diz a organização. 
Crédito:Arquivo Nacional
Mulher caminha entre guardas
Mulher caminha entre guardas
"Elas e eles compartilharam conosco experiências vividas na São Paulo daquele período ditatorial, falando sobre migração, família, política, educação, arte, cultura, trabalho, economia e suas lutas periféricas. Em breve, todos os relatos serão publicados integralmente em nossos canais digitais", completa. 

Gabrielle Oliveira de Abreu, historiadora formada pelo Instituto de História da UFRJ e Mestra em História Comparada pela UFRJ, coordenadora da área de Memória, Verdade e Justiça do Instituto Vladimir Herzog, destaca a importância da documentação dessas histórias. 

"A historiografia do tema da ditadura, não só estudos acadêmicos, como representações midiáticas, artísticas, a respeito do período, já deram conta de algumas experiências, mas existem outras que ainda estão descobertas, o que demonstra que ainda temos muito a aprender sobre a Ditadura Militar, e que ela foi ainda mais ampla, acometendo mais pessoas do que a gente imagina", disse, em entrevista à Rádio Brasil Atual. 

"O projeto tenta dar essa dimensão mais completa do que foi a Ditadura Militar, mostrando que todas as pessoas, direta ou indiretamente, foram afetadas por políticas da Ditadura, ainda que naquele período ou anos depois, após a redemocratização", completa.  

Lucas Figueiredo Torigoe, mestre em História Social pela Universidade de São Paulo e coordenador de pesquisas do Museu da Pessoa, explica quem são os participantes do estudo. 

"Toda e qualquer pessoa que viveu nesse período. Estamos buscando ampliar o olhar sobre o que foi viver durante esse período nefasto, direta ou indiretamente, todos sofreram. O perfil acaba sendo mais diverso do que a historiografia acabava rodando. Estamos entrevistando taxistas, professores do ensino básico, pessoas que militaram pela causa LGBTQIA+", conta. 
 
"Conseguimos ter contato com mestres de escolas de samba que sofreram muito aqui em São Paulo com a perseguição à cultura. Padres, donas de casa, como viviam, como o regime entrava ou não na casa das pessoas. Bancários que falam sobre os efeitos da inflação. Perfis diversos, que tragam a dimensão que talvez os mais jovens não vejam: que a Ditadura acabou por vitimar todas as pessoas em âmbitos que não pensamos muito no dia a dia." 

Leia também: