Checadores enviam carta ao YouTube com demandas para frear desinformação

Redação Portal Imprensa | 12/01/2022 14:01
Agências de checagem de fatos de mais de 40 países, incluindo o Brasil, enviaram nesta quarta-feira, 12 de janeiro, uma carta à CEO do YouTube, Susan Wojcicki, reivindicando medidas para conter a disseminação de desinformação.

Dentre as demandas está um apelo por maior transparência sobre como conteúdos falsos trafegam na plataforma de compartilhamento de vídeos e sobre as políticas da empresa para bani-los.

O documento também pede que o YouTube estabeleça formas que permitam que as agências de checagem de fatos colaborem com a verificação do conteúdo divulgado nos vídeos.
Crédito: Reprodução Dunya News




Exclusão
Outra reivindicação é para que o conteúdo de infratores reincidentes deixe de ser recomendado ou promovido pelos algoritmos da empresa.

Além de listar exemplos de vídeos do YouTube que causaram danos à sociedade, o documento destacou que a situação é ainda pior nos países que não falam inglês e no hemisfério sul.

Uma das signatárias da carta, a Agência Aos Fatos, afirmou que não se trata de simplesmente excluir ou não os vídeos. "As evidências disponíveis hoje apoiam a eficácia da apresentação de informações adicionais verificadas em vez de fazer com que os vídeos simplesmente desapareçam".