"Estamos no front e vamos continuar lutando e denunciando a violência de gênero", decreta Andrea Dip na entrega do Troféu Mulher IMPRENSA

Redação | 14/12/2021 07:37

Única premiação jornalística do Brasil dedicada exclusivamente ao público feminino, há mais de 15 anos o Troféu Mulher IMPRENSA tem contribuído para o reconhecimento e o debates sobre os direitos da mulher no exercício da pauta e da profissão. 


2021 foi mais um ano em que as mulheres jornalistas foram as principais vítimas de ataques contra a imprensa. No próximo ano, período de eleições presidenciais no Brasil, o cenário pode ser ainda pior.


"Falamos aqui sobre o quanto as mulheres jornalistas já estão sofrendo todo tipo de ameaça e violência e sabemos que no ano de eleição isso tende a piorar. Mas como disseram todas aqui presentes no evento: estamos no front e vamos continuar lutando e denunciando a violência de gênero. Independentemente das ameaças, seguiremos na luta". 


Andrea Dip é a responsável pelo terceiro prêmio da Agência Pública no Troféu Mulher IMPRENSA e saiu vencedora pela série de reportagens sobre as denúncias de assédio contra o patriarca e o filho da família Klein, fundadora das Casa Bahia, um assunto bastante presente na rotina das mulheres jornalistas.


"É sempre difícil escrever sobre violência de gênero, porque somos mulheres, dissidências, e estamos escrevendo sobre as violências que nós mesmo sofremos na vida. Tem a ver diretamente com a gente, com a nossa vida. Sempre dói".


Crédito:Debora Matos/ESPM

Jornalismo como agente de mudança


As denúncias contra Samuel e Saul Klein apontam que crianças e adolescentes sofreram abusos durante 30 anos. Esses homens ricos e poderosos puderam cometer esses abusos através de uma rede que permitiu que cometessem os crimes sem serem responsabilizados, muitas vezes silenciando essas vítimas.


"Pra gente foi muito importante conseguir publicar essas reportagens. Fizemos um trabalho em equipe, de seis repórteres. E isso gerou frutos. Recentemente, a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) propôs um projeto de lei para aumentar o prazo de denúncias de violência contra crianças e adolescentes baseado na nossa reportagem. Isso é muito gratificante", afirma Andrea. 


Para a jornalista, receber o prêmio e ver que seu trabalho resulta em mudanças é o sonho de todo jornalista. "É o que a gente mais quer quando faz reportagens: ser agente de mudanças", conclui a repórter. 


Ao longo da transmissão, o público pode conferir depoimentos em vídeo das vencedoras de 2021. A edição completa do evento pode ser assistida aqui.


Leia também


"Você não fala de diversidade se não falar de violência no Brasil", pontua Sônia Bridi

Seis mulheres negras estão entre as vencedoras do Troféu Mulher IMPRENSA + Diversidade