Por capa antivacina, diretor da Super exclui do acervo digital da revista edição de 2001

Redação Portal IMPRENSA | 03/11/2021 15:44
O colunista do UOL Mauricio Stycer entrevistou Alexandre Versignassi, atual diretor de redação da revista Superinteressante, e Adriano Silva, que exerceu o cargo no início dos anos 2000, para repercutir a recente exclusão temporária do acervo online da publicação da edição de fevereiro de 2001, cuja reportagem de capa questionava a eficácia das vacinas.

A capa trazia um bebê vendado recebendo uma vacina em gotas com um título questionador: “Vacinas: a cura ou a doença?” O subtítulo continha outra pergunta que colocava em xeque a eficácia das vacinas. 

“A vacinação, ferramenta básica de saúde pública, enfrenta no mundo inteiro uma onda crescente de críticas e desconfianças. A questão: será que as vacinas fazem mais mal do que bem?”
Crédito: Reprodução
Diretor da redação da Super na época, Adriano Silva diz que a capa deve ser entendida no contexto da reformulação editorial

O atual diretor de redação da Super afirmou que nenhuma das teses relatadas na capa de fevereiro de 2001 provou-se verdadeira, o que o levou a consultar a diretoria da Abril, a fim de excluir provisoriamente a edição do acervo digital.

“Não é apagar a história. É uma questão de saúde pública. A gente tirou e, num segundo momento, vamos colocar de volta”, justificou Versignassi.

Por sua vez, Adriano Silva alegou que a capa deve ser entendida no contexto da reforma editorial que ele promoveu na publicação. “A revista era muito reverente ao cânone oficial da ciência. Resolvemos ampliar.”