Jornalistas independentes vencem Prêmio Nobel da Paz

Redação Portal IMPRENSA | 08/10/2021 08:49
Os jornalistas Maria Ressa (Filipinas) e Dmitry Andreyevich Muratov (Rússia) foram os vencedores do prêmio Nobel da Paz de 2021 pelo "esforço para proteger a liberdade de expressão, o que é uma pré-condição para a democracia", segundo o Comitê do Nobel. 

"Eles são representantes de todos os jornalistas que defendem este ideal em um mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas", completou o grupo. 

Maria Ressa e Muratov vão dividir o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (R$ 6,3 milhões). 
Crédito:Reprodução/ Novaya Gazeta Nobel da Paz
Caricatura de Ressa e Muratov publicada pelo Novaya Gazeta após o anúncio
Ressa é cofundadora e diretora-executiva do Rappler, site de jornalismo investigativo que atua na cobertura da guerra ao tráfico de drogas nas Filipinas. 

Segundo o Comitê, ela "usa a liberdade de expressão para expor o abuso de poder, o uso da violência e o crescente autoritarismo em seu país natal."

O porta-voz do prêmio também afirmou que o "Rappler deu atenção à campanha assassina do regime de [do presidente] Duterte. O número de mortes é tão alto que parece uma guerra contra a própria população do país". 

Muratov é fundador do jornal indepentende Novaya Gazeta, que já teve seis jornalistas assassinados desde que iniciou suas atividades, em 1993. Em 1995, ele assumiu como editor-chefe. Todas as mortes aconteceram depois que Putin assumiu o poder. 

Berit Reiss-Anderson, presidente do Conselho do Nobel, disse que "apesar das mortes e ameaças, Muratov se recusou a abandonar a política independente do jornal". "Há décadas defende a liberdade de expressão na Rússia, em condições cada vez mais desafiadoras". 

"O jornalismo baseado em fatos e a integridade profissional do 'Novaya Gazeta' a tornaram uma importante fonte de informações sobre aspectos censuráveis ??da sociedade russa raramente mencionados por outros meios de comunicação", disse o conselho. 

A instituição ressaltou que "o jornalismo gratuito, independente e baseado em fatos serve para proteger contra o abuso de poder, mentiras e propaganda de guerra. O comitê norueguês do Nobel está convencido de que a liberdade de expressão e a liberdade de informação ajudam a garantir um público informado". 

"Esses direitos são pré-requisitos essenciais para a democracia e protegem contra guerras e conflitos", alertou a academia, e que o prêmio para jornalistas "visa salientar a importância de proteger e defender esses direitos fundamentais [liberdade de expressão e informação]". 

Reações 

Após o prêmio, Ressa disse estar "em choque". "Nada é possível sem fatos", declarou, em uma live no Rappler. 

O governo russo parabenizou Muratov, afirmando que ele "trabalha consistentemente de acordo com os seus próprios ideais", e que o jornalista é "corajoso e talentoso". 


Leia também: