Após ataque de Bolsonaro, entidades e políticos solidarizam-se com Daniela Lima

Redação Portal IMPRENSA | 02/06/2021 18:39
Nesta quarta (2) entidades, políticos e colegas de profissão saíram em defesa da jornalista Daniela Lima, apresentadora da CNN Brasil, que no dia anterior foi atacada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Sem citá-la nominalmente, o presidente referiu-se à jornalista como “quadrúpede”. O ataque ocorreu após apoiadores do governo questionarem Bolsonaro sobre uma fala da jornalista na CNN Brasil.

No dia 26 de maio, ao chamar uma notícia, ela disse: “Não saia daí porque agora, infelizmente, a gente vai falar de notícia boa, mas com valores não tão expressivos”. Daniela se referia ao saldo positivo de vagas de emprego abertas em abril no país. Nas redes bolsonaristas, a fala foi descontextualizada  e editada.

“‘Infelizmente, somos obrigados a dar uma boa notícia, mas não é tão boa assim não’. É uma quadrúpede. Afinal de contas, acho que não preciso dizer de quem ela foi eleitora no passado, né? De outra do mesmo gênero”, disse Bolsonaro.
Crédito: Reprodução Blog Sala da TV

Misoginia
Para a Abraji, é intolerável que um presidente da República se refira às mulheres de forma tão agressiva e misógina. "Só em 2021, o presidente insultou ao menos quatro jornalistas, sem contar os ataques dirigidos a veículos, que têm contribuído para o Brasil despencar nos rankings internacionais que medem o nível da liberdade de imprensa em diversos países", diz nota da entidade.

Também sobre o caso, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia disse que “Bolsonaro ataca as instituições, insulta a imprensa e ameaça a sociedade”. Segundo ele, o presidente “tenta impor uma imagem de força que não tem” e age com “desespero”.

Senadores da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado também saíram em defesa de Daniela Lima. Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Renan Calheiros (MDB-AL) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) estão entre os que se solidarizaram.

“Eu acho que nós vivemos tempos difíceis no Brasil e não há como nós permitirmos que, entre nós, alguém, infelizmente, faça uma acusação dessa ordem à jornalista. Isso não colabora em absolutamente nada com o rumo, com os objetivos do nosso trabalho”, disse Renan. Já o  deputado Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou que “ditadores não convivem bem com a imprensa livre”. 

Vera Magalhães, apresentadora do programa Roda Viva, da TV Cultura, disse que o episódio é “inadmissível” e que o ataque de Bolsonaro atinge “a todos os brasileiros”. 

Em suas redes sociais, a jornalista Daniela Lima agradeceu a solidariedade. “Agradeço todas as manifestações de solidariedade. Imprensa e democracia são irmãs siamesas. Respondo como posso, com trabalho”, disse.