YouTube Brasil repassa milhões a canais que promovem desinformação sobre covid-19

Redação Portal IMPRENSA | 18/03/2021 17:14

Embora o YouTube Brasil venha reiteradamente afirmando que não permite a publicação de vídeos com desinformação sobre a pandemia, levantamento divulgado nesta quarta (18) mostra que a plataforma segue monetizando canais que publicam vídeos que pregam tratamento precoce sem eficácia contra a covid-19,desestimulam o uso de máscaras e lançam suspeitas sobre as vacinas.

Feito pela empresa de análise de dados Novelo Data e pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, liderado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), o estudo analisou vídeos sobre covid-19 publicados no mês de janeiro de 2021 por 15 dos maiores canais de política e mídia do Brasil.

Foram identificadas ao menos 44 postagens com conteúdo negacionista relacionado à pandemia. Somente estas publicações superam 8,7 milhões de visualizações.

Afirmações perigosas ou enganosas

De acordo com os responsáveis pelo trabalho, esses vídeos se concentraram em três canais: o do presidente Jair Bolsonaro, o do jornalista Alexandre Garcia e o do programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan.

Os pesquisadores estimaram a monetização dos canais em que esses vídeos foram publicados. Acredita-se que o canal do programa Os Pingos nos Is recebeu do YouTube até R$ 1,7 milhão somente em janeiro de 2021.

Para os pesquisadores, se o YouTube tivesse aplicado sua própria política, esses canais teriam sido suspensos ou permanentemente excluídos.

Procurado para comentar os resultados do levantamento, o YouTube reafirmou que não permite vídeos que promovam desinformação sobre o coronavírus e que, desde fevereiro de 2020, removeu manualmente mais de 800 mil vídeos relacionados a afirmações perigosas ou enganosas sobre o vírus.

"Temos o compromisso de zelar pela segurança dos nossos usuários ao utilizarem o YouTube, por isso continuaremos com o trabalho de remoção de vídeos que violem nossas regras. Além disso, qualquer pessoa que acredite ter encontrado um conteúdo no YouTube em desacordo com as diretrizes da nossa comunidade pode fazer uma denúncia e nossa equipe fará a análise do material", diz nota oficial da plataforma.

Leia também

Tolerância do Facebook com desinformação de Bolsonaro gera debate nos EUA

Fiquem Sabendo divulga dados obtidos pela LAI sobre distribuição de cloroquina no Brasil