Jornais são questionados por publicação de anúncio que defende tratamento precoce

Redação Portal IMPRENSA | 23/02/2021 19:29
Uma peça publicitária publicada nesta terça (23) em alguns dos principais jornais do país (incluindo Folha de São Paulo, O Globo, Estado de Minas, Correio Braziliense e O Povo Online), foi alvo de críticas por defender o uso precoce de medicamentos como a cloroquina para curar pacientes infectados pela covid-19.

Publicado pela Associação Médicos pela Vida, com sede em Recife (PE), o anúncio vai na contramão das recomendações internacionais no combate à pandemia e cita um trecho da Declaração de Helsinque e do Conselho Federal de Medicina para justificar o uso de medicamentos sem eficácia comprovada.
Crédito:Reprodução Sleeping Giants Brasil

Os veículos de imprensa que publicaram o anúncio foram criticados porque diversas organizações nacionais e internacionais já se posicionaram contra a utilização de medicamentos como hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina e doxiciclina no tratamento de pessoas com covid-19.

O caso colocou em evidência uma discussão antiga sobre a divisão entre as áreas editorial e comercial de veículos de imprensa. 

No Twitter, a jornalista Mariana Varella, do Portal Drauzio Varella, lembrou que o tratamento precoce "não é recomendado por nenhuma organização internacional de saúde nem por órgãos americanos ou europeus" e que o "coletivo de médicos parece bem financiado", considerando o preço da publicação do anúncio nos principais jornais do país.

Outros jornalistas e profissionais de saúde mostraram repúdio pela publicação do anúncio e questionaram a atitude dos veículos de notícia, que divulgam um tipo de mensagem em seu espaço editorial, e outro na área comercial.