'Desertos de notícias' diminuem com expansão de sites, mas ainda afetam 33 milhões de pessoas

Deborah Freire | 03/02/2021 12:16

O número de municípios brasileiros com noticiário (mais de três veículos) cresceu de 37,4% para 41,1% entre 2018 e 2020. Com isso, o total de “desertos de notícia” caiu para 58,9%, segundo revela o Atlas da Notícia, divulgado nesta quarta-feira.

Crédito:Pexels

Os sites foram os grandes responsáveis por esse importante recuo, mas que ainda afeta mais de 33 milhões de habitantes de 3280 municípios em todo o Brasil que não têm acesso fácil a notícias do seu próprio município ou região.


De acordo com Angela Pimenta, diretora de operações do Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo), que realiza o levantamento em parceria com Volt Data Lab, esses sites têm um ou dois jornalistas e ainda têm dificuldade em “seguir os protocolos de apuração e compromissos éticos”.


O Atlas ainda aponta que outros 28,9 milhões de brasileiros vivem em “quase desertos”, ou seja, cidades que possuem de um a dois veículos de notícias.


Dos cerca de 15 mil veículos de imprensa mapeados, a maioria é rádio (4,4 mil), o que mostra a relevância e abrangência desse meio de comunicação. Os sites seguem na segunda posição com 4,2 mil veículos; impressos em terceiro (3,2 mil) e TVs em último (1,2mil).


Impacto nas eleições


Sérgio Spagnuolo, coordenador de dados e análise do Atlas, em um artigo publicado em setembro no portal Medium, avaliou a relação entre os desertos e o desempenho dos partidos políticos nas eleições municipais.


Ele identificou que “os partidos que mais elegeram prefeitos são também aqueles que dominam, em números absolutos, mais locais onde não há cobertura jornalística, e, consequentemente, são mais carentes de informações que possam levar a mudanças”.


Ao Portal IMPRENSA, ele destacou a importância da cobertura jornalística de assuntos locais para que os habitantes de municípios se informem na hora de votar. "Esse é um dos principais problemas que identificamos no Atlas da Notícia sobre os desertos de notícia: falta de jornalismo para o voto informado. Sem jornalismo local, muitos temas acabam ignorados e as pessoas simplesmente ficam no escuro sobre a situação da cidade, seja nos postos de saúde, das finanças públicas etc. Perde-se um pedaço importante da prestação de contas, tão necessária democracia", analisou.


Leia também:


“Os jornais centenários têm muito a ensinar para o jornalismo atual”, afirma a pesquisadora Hérica Lene


Opinião: “O que os desertos de notícia têm a ver com coronavírus, fake news e eleições municipais”, por Wagner de Alcântara Aragão