Reportagem sobre gastos do governo irrita Bolsonaro, que volta a atacar a imprensa

Redação Portal IMPRENSA | 27/01/2021 17:51
A publicação, no dia 24, pelo portal Metrópoles, de uma reportagem sobre gastos do governo federal com comida em 2020 levou o presidente Jair Bolsonaro a fazer novos ataques à imprensa nesta quarta (27).

Durante almoço em uma churrascaria em Brasília, que contou com a presença de ministros e cantores sertanejos como Amado Batista, Sorocaba e Nayara Azevedo, Bolsonaro mencionou o assunto aos gritos, de forma chula e ainda mais agressiva do que o habitual. "Vai pra puta que o pariu, rapaz. Imprensa de merda. (...) É para encher o rabo de vocês da imprensa essas latas de leite condensado", vociferou. 

Também nesta quarta, deputados da oposição protocolaram pedidos de abertura da CPI do Leite Condensado, para investigar os gastos do governo com alimentação em 2020.
Crédito:RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES
Bolsonaro em churrascaria de Brasília: reportagem sobre gastos do governo com alimentos irritou presidente

A reportagem do Metrópoles se baseou em levantamento do (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do portal. Segundo a reportagem, todos os órgãos do Executivo pagaram, juntos, mais de R$ 1,8 bilhão em alimentos, valor 20% superior ao pago em 2019. 

O órgão que recebeu maior valor em compras é o Ministério da Defesa: foram cerca de R$ 632 milhões. Em segundo e terceiro lugar, ficaram o Ministério da Educação, com gasto estimado em R$ 60 milhões, e o Ministério da Justiça, com R$ 2 milhões em compras. 

Alguns desses gastos geraram forte repercussão nas redes sociais, como a compra de R$ 15 milhões em leite condensado e de R$ 2,2 milhões em chicletes. 

Além dos pedidos de abertura de CPI, a reportagem do Metrópoles resultou em representações assinadas pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-ES) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e pelos deputados Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES). Nelas os parlamentares pedem ao Tribunal de Contas da União (TCU) a abertura de uma investigação sobre os gastos com comida do governo federal em 2020.

Após a repercussão do caso, o portal da transparência, que reúne dados sobre gastos do governo federal, registrou um alto número de acessos e chegou a ficar fora do ar. 

Em nota a Controladoria-Geral da União (CGU) afirmou que o portal da transparência "recebeu um volume de acessos muito grande, e fora do habitual, na tarde desta terça-feira, dia 26/1, o que gerou uma lentidão expressiva nas consultas feitas pelos usuários".