Sindicato dos Jornalistas do DF denuncia perseguição e censura no afastamento de repórter da Agência Brasil

Redação Portal IMPRENSA | 15/01/2021 14:09
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF) denunciou atos de perseguição e censura no afastamento da jornalista Letycia Bond, repórter da Agência Brasil em São Paulo. A profissional foi afastada, na última quarta-feira (13), de suas funções na Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e transferida de forma compulsória para a produção da TV Brasil.

A profissional é especializada na área de Direitos Humanos, uma das editorias mais censuradas na EBC desde a posse de Jair Bolsonaro. Além disso, atua na articulação da Comissão de Empregados com os sindicatos representativos dos trabalhadores.

“Eu sou uma pessoa bastante reconhecida pela minha postura combativa e bastante crítica em relação à qualidade do jornalismo que a gente deve desenvolver na EBC. Já tem algum tempo que eu sofro assédio de vários chefes muito em decorrência desta minha postura combativa contra as arbitrariedades que estão sendo feitas que comprometem o bom jornalismo. São várias formas de assédio. Às vezes, sutis ou nem tanto, como ignorar mensagens minhas ou sugestões de pautas sobre direitos humanos. Às vezes, embates mais acalorados quando eu questiono por que não saiu alguma matéria, um texto integralmente censurado, ou quando acontece de suprimirem trechos que são críticos ao governo”, relatou Letycia.

A jornalista foi comunicada pela direção da EBC na última quarta-feira (13) de seu afastamento, que ela classifica como ”remoção forçada”. 

Segundo Letycia, a justificativa apresentada pela empresa foi o critério da antiguidade. “Disseram que, por ser a repórter que está há menos tempo na equipe da Agência Brasil de SP, eu fui a escolhida. Meus colegas rebateram isso, tanto na carta quanto em reunião realizada com as chefias da agência, solicitada por eles”. 

“Eu vejo uma tentativa de limitar os direitos de liberdade de expressão e de imprensa e isso é muito grave e isso é um indicativo bastante sério. Neste último ano, eu tive força para me colocar formalmente nesta frente de defesa da comunicação pública e os direitos dos trabalhadores. Nós tivemos 138 casos de censura que foram denunciados pelos trabalhadores”, complementa. 

Crédito:Agência Brasil


Apoio 
Além da denúncia, o SJPDF se manifestou a favor da jornalista nas suas redes sociais:  

“Não aceitamos essa perseguição. Exigimos que Letycia volte à cobertura de DHs e que os gestores responsáveis sejam autuados por improbidade administrativa”, afirmou o sindicato.  

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) também se pronunciou sobre o caso nas suas redes sociais. 

As entidades que também repudiaram a ação da EBC foram: Comissão de Empregados da EBC, Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo (SJSP), Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF), Sindicato dos Radialistas de São Paulo (Sinrad-SP), Sindicato dos Radialistas do Distrito Federal (Sinrad-DF) e Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro (Sinrad-RJ)

A equipe de repórteres da Agência Brasil redigiu uma nota de repúdio que foi encaminhada para as chefias da agência e para a diretora de jornalismo Serlei Batista. Eles pedem que seja revertida a remoção e se opõem a qualquer transferência de setor que não seja conversada previamente.

Leia também
Apoiadores de Trump e Bolsonaro promovem dia de boicote a redes sociais
Jornalistas brasileiros podem participar de programa internacional de treinamento para reportagens sobre vacinação