Ministro afirma que pedirá abertura de inquérito contra Ruy Castro e Noblat após falas contra Bolsonaro

Redação Portal IMPRENSA | 11/01/2021 12:33

Os jornalistas Ruy Castro, colunista da Folha, e Ricardo Noblat, colunista da Veja, deverão ser investigados em inquérito da Polícia Federal pelo crime de instigação ao suicídio, que tem pena de seis meses a dois anos de reclusão, podendo ser o dobro quando praticada pela internet.

Crédito:Agência Brasil

O pedido de abertura de inquérito foi divulgado pelo ministro da Justiça, André Mendonça, em seu perfil o Twitter, onde ele não citou os nomes dos jornalistas.


No entanto, sabe-se que a mensagem é direcionada a Castro e Noblat, porque o colunista da Folha publicou nesse domingo (10), a coluna "Saída para Trump: matar-se", onde ele diz que a única maneira de o presidente norte-americano Donald Trump entrar para a história como herói é se matando, como fez o presidente brasileiro Getúlio Vargas.


Ele também escreveu que "se Trump optar pelo suicídio, Bolsonaro deveria imitá-lo".


Procurado pelo portal UOL, Ruy Castro respondeu: “Não sou coveiro”, referindo-se à fala de Bolsonaro ao ser questionado em abril do ano passado sobre o número de mortes por covid-19.


A Folha afirmou em nota que, "como no caso de texto de Hélio Schwartsman, que teve inquérito aberto pelo mesmo ministro e depois suspenso pelo STJ, o colunista emitiu uma opinião; pode-se criticá-la, mas não investigá-la".


Por sua vez, o jornalista Ricardo Noblat republicou em sua conta no Twitter trechos do texto de Ruy Castro. A revista Veja repudiou o post do colunista.


Integrantes do governo Bolsonaro e apoiadores do presidente pedem que as redes sociais suspendam a conta do jornalista por discurso de ódio, assim como fez com o presidente Donald Trump no fim de semana.


"Apenas pessoas irresponsáveis cometem esse crime contra chefes de Estado de duas grandes nações. Fazê-lo é um desrespeito à pessoa humana, à nação e ao povo de ambos os países", afirmou o ministro da Justiça pelo Twitter.


O ex-ministro e ex-prefeito Fernando Haddad (PT) rebateu Mendonça nas redes sociais. "Quantos anos de prisão o ministro da Justiça vai pedir para Bolsonaro por incitar as pessoas a não usarem máscara e não se vacinar?", postou na mesma rede social.


Leia também:


Procurador instiga onda de assédio judicial contra agência de checagem


Parlamentares bolsonaristas usam judiciário para perseguir jornalistas, diz Abraji