Imprensa é ameaçada e tem equipamentos destruídos durante invasão ao Congresso dos EUA

Redação Portal IMPRENSA | 07/01/2021 07:13

O ataque ao Congresso dos Estados Unidos nesta quarta (6) durante a certificação da vitória de Joe Biden à presidência se estendeu a agressões e ameaças à imprensa do lado de fora do prédio.

Crédito:Reprodução / Twitter

A imprensa foi atacada logo após manifestantes apoiadores de Donald Trump, presidente derrotado nas urnas, invadirem o local para contestar a contagem simbólica de votos pelo vice-presidente Mike Pence, acompanhado de parlamentares e jornalistas.


Os apoiadores de Trump perseguiram os profissionais de mídia e danificaram equipamentos da imprensa, enquanto gritavam “Estamos em guerra” e “A mídia é inimiga do povo”.


Do lado de fora do Congresso, houve tentativas de incendiar câmeras e outros equipamentos de repórteres que cobriam a invasão. Enquanto do lado de dentro, jornalistas e autoridades se escondiam para evitar agressões.



Circulou no Twitter a imagem de equipamentos da AP News completamente destruídos. Muitos jornalistas relataram em suas redes sociais estarem com medo ou sem condições emocionais para reportar a situação.


Mais cedo, o presidente Donald Trump havia discursado para a multidão na praça do obelisco de Washington, e voltado a dizer que venceu as eleições. Ele afirmou que o processo foi roubado.


Já o vice-presidente, Mike Pence, publicou nas redes sociais uma carta em que afirma que não há precedentes legais e constitucionais para que Trump “aceite ou rejeite os votos unilateralmente”.


O discurso de Trump inflou os apoiadores, que seguiram em direção ao local onde ocorria o reconhecimento formal da vitória de Biden. Em seguida, o presidente recuou e pediu para que os manifestantes voltassem para casa “em paz”.


“Estou pedindo a todos no Capitólio dos Estados Unidos que permaneçam em paz. Sem violencia! Lembre-se, NÓS somos o Partido da Lei e da Ordem - respeite a Lei e nossos grandes homens e mulheres em Azul. Obrigado!”, postou no Twitter.


A rede social chegou a bloquear tuítes de Trump durante a tarde por violarem as regras da rede social.

O ataque terminou com quatro mortos, segundo a polícia, e gabinetes depredados. A sessão foi retomada após a retirada dos invasores.


Leia também:


Twitter e Facebook intervêm em posts de Trump sobre vitória


Em comício, Trump elogia agressões a jornalistas durante protestos antirracismo