Grupo internacional de jornalistas investigativos escolhe Bolsonaro como “pessoa corrupta do ano”

Redação Portal IMPRENSA | 31/12/2020 09:58
O presidente Jair Bolsonaro foi eleito a "Pessoa Corrupta do Ano de 2020" pelo Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), plataforma de jornalismo investigativo e independente que analisa e reporta casos de crime organizado e corrupção em países da Europa Oriental, Ásia Central e América Central.

Um corpo internacional de jornalistas investigativos, acadêmicos e ativistas seleciona o vencedor a cada ano.

Segundo o grupo, o presidente foi escolhido por seu papel na promoção do crime organizado e da corrupção. 

“Eleito após o escândalo Lava Jato (Lava Jato) como candidato anticorrupção, Bolsonaro se cercou de figuras corruptas, usou propaganda para promover sua agenda populista, minou o sistema de justiça e travou uma guerra destrutiva contra a Amazônia região que enriqueceu alguns dos piores proprietários de terras do país”, diz o texto.
 
Bolsonaro venceu dois outros líderes populistas, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o presidente turco Recep Erdogan.

“Esse é o tema central do ano”, disse Louise Shelley, diretora do Centro Transnacional de Crime e Corrupção (TraCCC) da George Mason University, que participou do painel do prêmio. “Todos são populistas causando grandes danos aos seus países, regiões e ao mundo. Infelizmente, eles são apoiados por muitos, que é a chave do populismo”. 

“A família de Bolsonaro e seu círculo íntimo parecem estar envolvidos em uma conspiração criminosa em andamento e têm sido regularmente acusados de roubar as pessoas. Essa é a definição de livro de uma gangue do crime organizado”, complementa Drew Sullivan, editor do OCCRP e juiz do painel. 

Os jornalistas escreveram ainda que as ações de Bolsonaro não afetam apenas o Brasil. Ele abriu grandes extensões da Amazônia à exploração por aqueles que já haviam se beneficiado da destruição da região crítica e ameaçada.

“A destruição contínua da Amazônia está ocorrendo por causa de escolhas políticas corruptas feitas por Bolsonaro. Ele encorajou e alimentou os incêndios devastadores ”, disse o jurado Rawan Damen, diretor do Arab Reporters for Investigative Journalism. “O Bolsonaro fez campanha com o compromisso explícito de explorar, ou seja, destruir a Amazônia, que é vital para o meio ambiente global”.

Crédito:OCCRP

Os jornalistas listaram as conexões do presidente com a corrupção: 

- Seu filho Carlos, vereador do Rio de Janeiro, está sendo investigado por um esquema de repartição de salários na cidade. A ex-mulher de Jair também está envolvida em um esquema de divisão de salários.
- Seu filho Flavio e outros associados estão envolvidos em um longo escândalo envolvendo suas atividades como deputado, onde ele supostamente dirigia uma rede de corrupção que lavava dinheiro e cometia fraudes.
- Flavio contratou os familiares de um homem acusado de dirigir um esquadrão da morte paramilitar que invadiu violentamente áreas do Rio de Janeiro por meio de violência e execuções sumárias, incluindo o assassinato de uma vereadora LGBT negra do Rio.
- Quando personalidades dos órgãos jurídicos e anticorrupção do país investigaram seu filho Flavio, Bolsonaro tentou minar as investigações mudando o chefe da Polícia Federal.
- Aliados importantes e seu filho Eduardo fizeram uma campanha de propaganda para enganar os eleitores.
- Seu amigo e aliado Marcelo Crivella, o prefeito do Rio de Janeiro, foi preso por operar o que os promotores disseram ser uma organização criminosa destinada a arrancar lucros do gabinete do prefeito.


Vencedores anteriores
Os vencedores anteriores do prêmio de pessoa do ano incluíram Vladimir Putin, o presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev e o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte.

OCCRP
OCCRP é uma plataforma de reportagem investigativa para uma rede mundial de centros de mídia independentes e jornalistas e uma das maiores organizações de reportagem investigativa do mundo, publicando mais de 150 histórias investigativas por ano.