Justiça condena jornalista a 7 anos de prisão pela quebra de sigilo da filha de Serra

Redação Portal IMPRENSA | 23/12/2020 09:07
O jornalista Amaury Ribeiro Junior, autor do livro “Privataria Tucana”, foi condenado com outras quatro pessoas pela quebra dos sigilos fiscais de pessoas ligadas ao ex-senador José Serra, entre elas sua filha Veronica Serra, e o então vice-presidente executivo do PSDB, Eduardo Jorge. Na época, Serra era candidato à Presidência da República.
Crédito:Reprodução


O processo corre em segredo de Justiça. A informação foi divulgada pelo jornalista Fausto Macedo, do O Estado de S. Paulo. 

Segundo denúncia do Ministério Público Federal, Amaury teria aliciado um despachante para obter cópias das declarações do Imposto de Renda da filha e do genro de Serra.

“Se os únicos meios lícitos possíveis para a obtenção de dados fiscais seriam a autorização dos próprios interessados ou ordem judicial, é óbvio que o réu tinha a consciência sobre o emprego de meios ilícitos em sua solicitação”, diz um trecho da sentença.

No processo, Amaury disse que “jamais pagaria pela obtenção de dados fiscais sigilosos de qualquer cidadão”. O jornalista pode recorrer da decisão.

Leia também:
Serra aciona Justiça contra autor de "A Privataria Tucana" para receber indenização

Justiça rejeita pedido de indenização de Serra contra jornalista e editora