Mapeamento aponta os cientistas e especialistas mais influentes no Twitter quando o assunto é covid-19

Deborah Freire | 16/12/2020 11:57

No ano em que o debate sobre ciência e saúde rompeu os muros do campo acadêmico para estar cada vez mais presente nas conversas familiares, nos jornais e nas redes sociais, um monitoramento iniciado em maio revelou quem são os especialistas mais influentes que falam sobre covid-19 no Twitter.

Crédito:Science Pulse

A ação é do projeto Science Pulse, uma ferramenta gratuita para monitorar o que cientistas e divulgadores científicos estão publicando nas redes, em parceria com o Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD), e resultou no relatório “Principais vozes da ciência no Twitter: mapeando a conversa de cientistas e especialistas sobre a COVID-19”.


Com base nas métricas “autoridade”, “articulação” e “popularidade”, analisadas em 1.200 perfis, foram eleitos como principais influenciadores brasileiros sobre a covid-19:


1- Atila Iamarino (@oatila) / Divulgador científico / 1.085.123 seguidores


2- Luiza Caires (@luizacaires3) / Jornalista e Divulgadora científica / 33.078 seguidores


3- Otavio Ranzani (@otavio_ranzani) / Epidemiologista e Médico / 16.091 seguidores


4- Mellanie Fontes-Dutra (@mellziland) / Neurocientista e Divulgadora científica / 9.003 seguidores


5- Marcio S Bittencourt (@MBittencourtMD) / Cardiologista, Editor científico e Professor / 6.014 seguidores


A métrica popularidade mostra o possível alcance de determinado perfil na rede. Diz respeito à quantidade de seguidores que um perfil possui. A autoridade diz quais são os perfis centrais na difusão de informações na rede e, por consequência, os mais respeitados e/ou com maior prestígio. E a articulação avalia quais perfis são a ponte entre diferentes grupos, com a maior capacidade de difundir suas mensagens.


A partir dessas medidas, também surgem com grande influência na rede social instituições brasileiras como a Universidade de São Paulo (@usponline), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (@ibgecomunica), o projeto colaborativo Rede Análise covid-19 (@analise_covid19), além de instituições e especialistas estrangeiros, como o médico Eric Topol (@EricTopol), a associação governamental World Health Organization (@WHO) e veículos de comunicação especializados, como o jornal Nature (@nature).


O relatório com o ranking completo e mais detalhes sobre o estudo estão disponíveis neste link.


Leia também:


Conheça novas iniciativas no jornalismo para seguir no Twitter


"Deram espaço a vozes negacionistas", diz Mateus Vargas, autor de série de furos na pandemia