Plataforma de combate à desinformação lança websérie com maiores mitos sobre meio ambiente na internet

Deborah Freire | 14/12/2020 11:54

Uma iniciativa do Fakebook.Eco, plataforma de combate à desinformação sobre o debate ambiental no Brasil, foi lançada nesta segunda (14) nas redes sociais. A websérie “As mentiras que os negacionistas contam” está em sua terceira temporada e tem como foco combater algumas das principais mentiras difundidas por negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Crédito:Reprodução / YouTube

A série conta com a participação do climatologista Alexandre Costa, do blog “O Que Você Faria se Soubesse o Que Eu Sei?”. No primeiro episódio, ele fala sobre mitos como o que afirma que a Amazônia é um mero produto de um ambiente chuvoso e seria irrelevante para o clima. Costa também responde os questionamentos: “Será que a floresta pode voltar ao que era se for derrubada? E os incêndios? Seriam um ‘fenômeno natural’ da região?”.


Um total de quatro episódios será lançado até o final deste ano, no perfil do FakeBook.Eco no Twitter e no canal da plataforma no YouTube. 


O FakeBook.Eco é uma iniciativa do Observatório do Clima, que que é uma rede de organizações pró-meio ambiente, e surgiu com a proposta de sistematizar o combate à desinformação na área ambiental.


O site tem uma série de informações sobre o principais mitos difundidos sobre o ambiente e o que é verdade dentro desse contexto, além de uma área de checagem de fatos, onde são feitas verificações de declarações de autoridades ou fake news diversas sobre o tema.


O grupo atua com a proposta jornalística de buscar as melhores referências científicas disponíveis para identificar o que é falso e o que é verdadeiro entre as diversas informações sobre clima, vegetação, desmatamento, poluição e outros, que são compartilhadas na internet.


Para assistir ao primeiro episódio da websérie, clique aqui.


Leia também:


Websérie da ONU com Agência Lupa aposta no humor para combater desinformação sobre a covid-19


Desinformação sobre tratamentos contra covid-19 diminui no mundo, mas segue em alta no Brasil