Bolsonaro é condenado por acusar jornalista de espalhar fake news

Redação Portal IMPRENSA | 11/12/2020 17:53
O presidente Jair Bolsonaro foi condenado pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) a indenizar Bianca Santana, jornalista e colunista do UOL, em R$ 10 mil. Bolsonaro foi condenado por ter acusado a jornalista de produzir e divulgar notícias falsas. 

A acusação do presidente foi motivada por um texto de Bianca publicado em novembro de 2019, sobre as relações de amigos e familiares do presidente com os acusados do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol), no Rio de Janeiro. 
Crédito:Reprodução


Em uma live transmitida em 28 de maio deste ano, Bolsonaro associou Bianca a um texto sobre decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra o PT. O texto, no entanto, não foi escrito nem assinado por ela.

Em julho, depois que a ação foi aberta, Bolsonaro pediu desculpas em outra live. “Eu fiz a referência a várias reportagens de fake news, e uma falei que era dela. Não era dela, tinha o nome dela lá embaixo. Houve equívoco da minha parte. Não era da jornalista Bianca Santana, minhas desculpas à Bianca Santana por esse equívoco nosso“, disse.

Em resposta ao pedido de desculpas, Bianca afirmou que Bolsonaro não se equivocou, mas "violou direitos e provocou um dano à minha honra”. Bianca havia pedido R$ 50.000 de indenização. O juiz do caso, César Augusto Vieira Macedo, considerou que o pedido de desculpas do presidente é suficiente para a diminuição do valor indenizatório a ser pago.  

“O que mais me chama atenção não é pelo valor, mas o fato de um presidente da República, que vem agredindo jornalistas e ferindo a liberdade de expressão, ser condenado”, afirmou Bianca.

Leia também: 
Relatório sobre "detratores" corrobora críticas contra autoritarismo do governo
Ataques à imprensa motivam pelo menos dez dos pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro na Câmara