Associação de Fotógrafos de Imprensa dos EUA pede prioridade de jornalistas em imunização contra covid-19

Redação Portal IMPRENSA | 02/12/2020 11:15

A Associação Nacional de Fotógrafos de Imprensa dos Estados Unidos (NPPA) entrou com um pedido junto ao Comitê Consultivo de Práticas de Imunização do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país, no final de novembro, solicitando que os jornalistas que têm contato direto com o público regularmente, em especial os jornalistas visuais, sejam incluídos na fase de imunização contra a covid-19 que abrange trabalhadores de áreas essenciais e críticas.

Crédito:Agência Brasil

O pedido assinado pelos conselheiros gerais Mickey Osterreicher e Alicia Wagner Calzada argumenta que “jornalistas visuais não podem trabalhar em casa e colocam sua saúde e vida em risco diariamente para cobrir a pandemia de covid-19 e outros assuntos de interesse público, incluindo questões críticas para a saúde e segurança do público [...]. Esses jornalistas devem trabalhar nas condições que encontram - independentemente do risco. Enquanto outros têm a opção de se afastar de grandes multidões ou evitar membros do público que não seguem as diretrizes de saúde do CDC (Centro de Controle de Doenças na sigla em inglês), jornalistas visuais colocam repetidamente sua própria segurança em risco para documentar o que está ocorrendo e informar suas comunidades, grandes e pequenas. Como resultado, vimos jornalistas visuais serem infectados, hospitalizados e até, infelizmente, sucumbirem à covid-19”.


A NPPA diz ainda que a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (Cisa) estabeleceu um precedente para colocar as pessoas que trabalham em "telecomunicações" no topo da lista daqueles que receberiam imunizações contra a covid-19, quando reconheceu os repórteres da linha de frente como trabalhadores de área crítica.

Crédito:Reprodução

E em abril, os jornalistas foram reconhecidos pela organização como trabalhadores essenciais. Ela classificou: “Trabalhadores que apoiam rádio, televisão e serviço de mídia, incluindo, mas não se limitando a repórteres de notícias de linha de frente, estúdio e técnicos para coleta de notícias, reportagem e publicação de notícias” são incluídos como essenciais.


Mesmo que a orientação do governo federal siga o pedido da NPPA, caberá aos estados americanos definir seus próprios protocolos de vacinas. No entanto, a decisão, se positiva, abrirá precedentes para todo o mundo considerar a imunização dos profissionais de imprensa como prioridade junto a outros trabalhadores de serviços essenciais.


Leia também:


STF determina que Ministério da Saúde volte a divulgar dados de covid-19 integralmente


Brasil é o quarto país com mais mortes de jornalistas por covid-19, diz organização