Gazeta do Povo já perdeu 13 anunciantes por manter Constantino

Redação Portal IMPRENSA | 12/11/2020 16:42
Alvo de campanha de boicote do movimento Sleeping Giants Brasil, que pressiona anunciantes a retirarem recursos de sites considerados difusores de discurso de ódio e desinformação, a Gazeta do Povo já perdeu 13 anunciantes.

A informação foi publicada pelo próprio jornal, em um texto acusando o Sleeping Giants Brasil de ser uma "milícia anônima" que quer "fazer com que um jornal de mais de 100 anos de atividades feche as portas". 
Crédito:Reprodução Gazeta do Povo


A campanha de boicote à Gazeta do Povo começou após o jornal informar que não iria afastar o colunista Rodrigo Constantino por seu comentário sobre estupro no contexto do caso Mariana Ferrer.

Constantino disse no dia 4 de novembro que, se sua filha tivesse sido estuprada bêbada, ele a colocaria de castigo. O comentário causou sua demissão da Jovem Pan, da TV Record, da rádio Guaíba e do jornal Correio do Povo. 

Para a Gazeta do Povo, Constantino foi alvo de "falsa acusação de apologia de estupro". Ao manter o colunista, o jornal ignorou uma carta assinada por 120 funcionários pedindo seu desligamento.  

Inspirado na versão original americana, que vem desmonetizando sites de extrema-direita nos EUA, o movimento Sleeping Giants Brasil funciona principalmente nas redes sociais, marcando o perfil das empresas e pedindo que deixem de anunciar em determinado canal ou site. 

"Os anunciantes cedem ao pensar que podem estar à beira de uma crise de imagem. Não atender automaticamente à solicitação joga as empresas anunciantes na lista negra do bando, para virar alvo de uma onda de linchamento promovida pelos seguidores do grupo anônimo. Ou seja, há prática de intimidação", acusa a Gazeta do Povo.

Com intimidação ou não, o método vem funcionado. Reportagem de Vinícius Valfré, publicada no Estadão no dia 9, informa que as campanhas do Sleeping Giants Brasil já fizeram Olavo de Carvalho perder mais de 250 financiadores. 

"O controverso escritor, referência da extrema-direita brasileira, chegou a perder cerca de 30% dos alunos que pagavam para receber seus ensinamentos via PayPal, uma das companhias que o baniu", descreve Valfré.
 
Nesta quinta (11) houve uma onda de ataques ao Sleeping Giants Brasil nas redes sociais, que foi impulsionada pela hashtag #GazetadoPovo. O jornal também reclama que o Sleeping Giants Brasi "exibiu viés político de esquerda desde a sua origem", embora tenha se vendido "como um movimento de caráter neutro, cujo único objetivo seria evitar a propagação de 'fake news' por meio do boicote". 

"Mas, nos últimos meses, a escolha enviesada de seus alvos escancarou um posicionamento político claro. Figuras públicas de esquerda são poupadas. Vozes de direita são perseguidas."

Leia também:
Brasil lidera ranking de desconfiança de notícias na internet, revela Instituto Reuters