Radar Aos Fatos passa a detectar desinformação sobre eleições e coronavírus no WhatsApp

Redação Portal IMPRENSA | 14/10/2020 11:02
O Radar Aos Fatos, ferramenta brasileira de monitoramento em tempo real de desinformação, passa a detectar ondas de desinformação no WhatsApp.
 
A plataforma agora monitora mais de 270 grupos de discussão política e um milhão de mensagens são coletadas e analisadas semanalmente.

Ao acessar, o usuário pode selecionar o tema de interesse, que pode ser as eleições municipais do Rio de Janeiro e de São Paulo ou a pandemia do coronavírus. 

É possível ver listas de conteúdos classificados como de baixa qualidade que circularam no WhatsApp e também no Youtube, Twitter e Web.
 
Ao escolher o WhatsApp, é possível conferir um resumo das informações coletadas pelo Radar nos grupos monitorados e a lista de todos os conteúdos, com o respectivo número de vezes em que foram repassados nos grupos.
 
Quanto mais baixa a nota, pior a qualidade do conteúdo. O Radar apresenta posts com avaliações entre 1 e 5, que reúnem maior probabilidade de informação falsa ou distorcida. A iniciativa é em parceria com o Twistsystems. 

Crédito:Aos Fatos



Metodologia 
Em primeiro lugar, a equipe editorial do Aos Fatos seleciona um tema para monitoramento: inicialmente, o Radar tem como foco publicações sobre a pandemia do novo coronavírus. Em seguida, é preciso capturar as publicações em sites e redes sociais sobre o tema. Após coletado, todo o material passa por uma série de processos que têm como objetivo extrair dados relevantes sobre conteúdo, autoria, imagens e vídeos, entre outras informações. 

Nem todos os conteúdos coletados, contudo, serão exibidos no Radar. A seleção é feita por um algoritmo, com base em combinações complexas de termos de busca, que reúnem recortes do tema que representam maior risco de promover desinformação.

No caso do coronavírus, por exemplo, publicações sobre medicamentos milagrosos ou sobre a origem do vírus têm maior potencial de disseminar desinformação do que conteúdos sobre o modo correto de usar máscaras ou relatos pessoais sobre o medo da pandemia. As combinações de termos são atualizadas diariamente. 

Com os dados sistematizados, cada publicação é avaliada segundo um conjunto de critérios, que recebem pontuações variáveis de acordo com um sistema de pesos. As notas compõem um índice que varia entre 1 e 10. Quanto maior o resultado, maior o nível de qualidade da publicação, ou seja, menores as chances do conteúdo analisado promover desinformação. 

Leia também
TSE reforça combate à desinformação, mas disparos eleitorais em massa continuam
Dicas para uma cobertura eficaz das eleições 2020, segundo a Rede Global de Jornalismo Investigativo