Após pressão, Google cria espaço de curadoria de notícias e remunera veículos parceiros

Redação Portal IMPRENSA | 02/10/2020 10:24
O Google lançou, nesta quinta-feira (01), o Google News Showcase, iniciativa que prevê o investimento global de US$ 1 bilhão em veículos jornalísticos ao longo de três anos.

Os veículos parceiros da plataforma serão responsáveis por criar e selecionar o conteúdo e serão remunerados por isso. O Brasil e a Alemanha são os primeiros países com o novo recurso. 

Este é o maior compromisso financeiro do Google com a indústria de notícias. A plataforma espera ajudar a orientar os leitores para informações de alta qualidade e aumentar o tráfego para os sites das editoras participantes.

O novo produto é diferente da Pesquisa Google ou Notícias porque depende mais das escolhas editoriais de editores individuais. Os painéis ainda serão exibidos pelos mesmos algoritmos usados para classificar o conteúdo no Google Notícias ou na Pesquisa, mas dentro deles os editores farão a curadoria do que está em destaque.

Inicialmente, 20 órgãos de imprensa nacionais estarão nessa seção: UOL, Folha de S.Paulo, Band, Estadão, Jovem Pan, Veja, Revista Piauí, Zero Hora, A Gazeta, Jornal Correio, Correio Braziliense, Estado de Minas, Folha de Boa Vista, Folha de Pernambuco, Gazeta do Povo, Jornal do Comércio, NSC Total, O Dia, O Tempo e Portal Correio.

O valor pago pela curadoria de notícias foi negociado pelo Google com cada veículo de imprensa.

“Esperamos que essa parceria seja um impulso importante para expandir a presença digital da revista. Por um lado, estamos usando a receita do projeto para aumentar nossa produção (mais matérias por dia); por outro, a vitrine nos dá uma ferramenta para mostrar o que achamos mais relevante, fazer conexões entre diferentes histórias e, felizmente, atrair mais leitores. Parece que estamos recuperando algum poder do algoritmo para o jornalismo”, diz José Roberto de Toledo, editor-executivo da revista piauí em entrevista à plataforma internacional Axios.  

O Google afirma que já assinou acordos com mais de 200 editoras na Alemanha, Brasil, Argentina, Canadá, Reino Unido e Austrália. 

Crédito:Google

Pressão internacional 
O anúncio do Google ocorre em um momento de crescente pressão internacional para que as plataformas remunerem os veículos de imprensa por exibir notícias em seus produtos. 

Reguladores em todo o mundo têm pressionado para introduzir uma legislação que exigiria que gigantes da tecnologia como o Google e o rival Facebook paguem diretamente aos editores por seu trabalho.

O Google resistiu por anos à ideia de pagar aos editores e até ameaçou retirar o Google News da Europa caso a UE impusesse políticas amplas em torno do assunto. Mas ultimamente tem se inclinado a pagar as editoras, pelo menos quando pode fazê-lo em seus próprios termos.

Como funciona 
O maior recurso do Showcase são os "painéis" que permitem aos editores empacotar histórias com mais contexto do que podem fornecer quando suas histórias aparecem no Google.

Os editores podem incluir elementos como cronogramas, marcadores e artigos relacionados em um painel de história. Eventualmente, eles serão capazes de incorporar vídeo, áudio e briefings diários.

O showcase, inicialmente lançado no Android e em breve no iOS, aparecerá pela primeira vez no Google Notícias e, eventualmente, também no Discover e Search.

Como parte desse esforço, o Google diz que vai oferecer acesso gratuito para selecionar artigos pagos em sites de algumas editoras participantes, com a ideia de que a exposição extra um dia ajudará as editoras a converter esses visitantes em assinantes.

Leia também
Sai general, entra publicitário: troca de comando na EBC visa impulsionar parcerias com iniciativa privada
Documentário “A Verdade da Mentira” investiga as causas e consequências da desinformação