Confira cinco dicas do The Economist para aperfeiçoar estratégias de newsletter

Redação Portal IMPRENSA | 30/09/2020 11:28
O Portal Journalism.co.uk reuniu cinco dicas do The Economist para aperfeiçoar as estratégias na construção de um boletim informativo, a chamada Newsletter. 

O The Economist disponibiliza vários boletins principais e temáticos específicos para assinantes pagantes e para o público em geral. Desde então, os boletins têm sido fundamentais na estratégia de assinatura do jornal.
 
Recentemente, a editoria de Newsletter também lançou o boletim informativo Cover Story, exclusivo para assinantes, que mostra o processo por trás da seleção da matéria de capa impressa; o boletim informativo  The Checks and Balances para cobertura política dos Estados Unidos; e o boletim informativo Climate Issue, que é uma coleção de reportagens sobre o clima.

Sunnie Huang, editora de newsletters da The Economist, ofereceu algumas lições que sua equipe aprendeu nos últimos três anos.

Confira:

Crédito:Pixabay
 
Transforme os boletins informativos em um produto independente
“Os melhores boletins informativos devem ser, em primeiro lugar, concebidos com os leitores em mente”, diz ela.

É tentador ver os boletins informativos como outra forma de direcionar o tráfego e difundir o conteúdo do site. Mas nenhum desses são objetivos do leitor. A melhor experiência do usuário não exigirá que os leitores sejam redirecionados para entender tudo.

"Os assinantes nos disseram que têm dificuldade para ler tudo e até se sentem culpados por não ler a edição todas as semanas, de capa a capa."

Ela revelou que a 'culpa por cópia não lida' é uma das maiores razões pelas quais as pessoas cancelam a assinatura, então sua equipe está focada em não aumentar o peso. 

Huang aconselhou não exigir muito do leitor e se limitar a um número restrito de boletins informativos com ofertas distintas.

Concentre-se em uma jornada do usuário poderosa
As pessoas precisam ter um bom motivo para ler. Os boletins informativos são tão fortes quanto a jornada e a experiência do usuário. Aqui, a proposta de valor é o que mais importa.

Se, como o The Economist , a experiência ideal do usuário gira em torno de um aplicativo, incentive os leitores a baixá-lo e usá-lo.

Se você também tiver um produto impresso, certifique-se de que a oferta digital seja distinta e não apenas reproduza a mesma experiência.

Elabore equipes de e-mail multifuncionais
Internamente, todos nós sabemos a diferença entre e-mails de marketing, confirmações transacionais e newsletters editoriais. Mas para outros, tudo pode parecer o mesmo.

“Para os leitores, um e-mail do The Economist é um e-mail do The Economist ”, diz Huang.

Um "esquadrão de email" foi montado de muitos departamentos diferentes - editorial, marketing, produtos, dados, experiência do usuário, jurídico - para pensar sobre a abordagem do email por meio de workshops. 

"Todos nós pensamos que o e-mail deve ser uma experiência acolhedora, consistente, sensível ao cliente e voltada para os negócios", ela explica sobre o terreno comum que encontrou nos departamentos.

'Quando todos sabem para onde você quer ir, tudo se torna mais fácil e é por isso que uma equipe multifuncional é a chave para o sucesso. "

Nunca pare de melhorar as ferramentas e produtos
É difícil produzir boletins diários que liguem muitos temas, idiomas e regiões.

Busque sempre novas soluções tecnológicas, como novos templates ou plug-ins. Mas não para por aí, treine mais funcionários de diferentes equipes para se familiarizar com as ferramentas e acessar as plataformas de e-mail.

"Não subestime o poder do treinamento interno, o poder do compartilhamento de conhecimento e como isso melhora os processos."

Entenda os pontos fracos do seu leitor
"Afaste-se do produto e reconecte-se com seu público e suas necessidades", diz Huang.

"Assim que você souber quem é seu público, quais necessidades ele tem e quais os pontos fracos que ele tem, será muito mais fácil encontrar os produtos certos que atendem a essas necessidades."

O ponto problemático que surgiu da pesquisa de usuário de Huang foi como seu público era pobre em tempo. Não só isso, eles seriam interrompidos por outros emails e notificações de aplicativos a qualquer momento de leitura de boletins informativos.

O segredo, concluiu ela, é criar um produto que valha a pena seu tempo e não exija muito do uso, para não aumentar o atrito.