Jornais universitários pautam mídia nacional com matérias locais sobre a pandemia nos EUA

Redação Portal Imprensa | 25/09/2020 10:15

A expansão da indústria da mídia fechou muitos jornais locais nos Estados Unidos e atualmente são os estudantes de jornalismo que realizam boa parte da cobertura dos fatos importantes que ocorrem nas cidades e, principalmente, nas universidades.

Crédito:Pexels


Em reportagem publicada no último fim de semana, o The Washington Post mostrou como os jornais universitários têm sido relevantes para informar as pessoas sobre os problemas e dados atualizados da pandemia de covid-19.


Em Nova York, o Washington Square News foi quem relatou pela primeira vez um surto de covid-19 em um dormitório de faculdade. Em Gainesville, na Flórida, o Alligator criou um mapa de casos locais. E o Daily Gamecock denunciou as maneiras como os funcionários da Universidade da Carolina do Sul ocultavam informações sobre a doença.


Na pandemia, os estudantes ganharam relevância e energia, por estarem no centro dos novos focos de coronavírus do país. Os “futuros” jornalistas trabalham pressionando administradores por transparência e publicando editoriais sobre polêmicos planos de reabertura.


“Eu sinto e sei que a equipe tem um senso de responsabilidade”, disse Jacob de Castro, editor-chefe do Indiana Daily Student da Universidade de Indiana. “Queremos ter certeza de que as pessoas sabem o que está acontecendo dentro e fora do campus para que possam fazer escolhas informadas. Também queremos responsabilizar a universidade em manter os alunos seguros e garantir que eles estejam usando o dinheiro da nossa mensalidade para nos manter seguros, para manter a comunidade segura”, disse ao TWP.


Os jornais universitários têm noticiado sobre a prevalência de covid-19 em casas de fraternidades e irmandades, em residências universitárias e entre estudantes atletas. Grandes veículos de comunicação têm dado crédito a eles por furos, e transformando as matérias feitas pelos estudantes em notícia nacional.


Eles também têm se empenhado em acompanhar questões como os protestos anti-racismo e preparativos do campus para as eleições. Em Gainesville, existe um jornal diário profissional com uma equipe relativamente pequena, enquanto o Alligator, universitário, tem quase 60 pessoas na equipe. “Podemos preencher um monte de lacunas”, disse a editora-chefe Kyle Wood.


A resposta a tal esforço é que os sites de jornais universitários estão quebrando recordes de leitores online com histórias para alunos, professores e pais, que sentem a falta de comunicação das universidades.


Jornais universitários há muito são vistos pelos estudantes como seu real curso de graduação. E a pandemia fez com que esses alunos trabalhassem ainda mais, ao conciliarem as tarefas de reportagem com questões como navegar no complexo labirinto de aulas presenciais e virtuais até problemas financeiros.


Ainda assim, eles veem sua atuação como questão de “senso de dever” e se empenham em cobrir as maiores notícias de suas vidas, como ressalta Matt Cohen, repórter empresarial do Indiana Daily Student.


Leia também:


“Os jornais centenários têm muito a ensinar para o jornalismo atual”, afirma a pesquisadora Hérica Lene


Jornalistas ainda enfrentam excesso de trabalho e falta de valorização nas empresas, mostra pesquisa