Entidades de jornalismo repudiam agressão verbal praticada por vereador contra comentarista no Piauí

Redação Portal Imprensa | 18/09/2020 09:24

Entidades ligadas à imprensa repudiaram a agressão verbal sofrida pela jornalista piauiense Sávia Barreto, cometida pelo vereador por Teresina, Luiz Lobão Castelo Branco (MDB), na quarta-feira (16).


A profissional é comentarista no quadro Jogo do Poder, da TV Meio Norte, no Piauí, e no dia anterior havia dado uma informação sobre o vereador, o que motivou o ataque. Segundo Barreto, ela falou no programa que “havia desconfiança do partido de que o vereador pudesse não apoiar o candidato a prefeito da sigla, e sim, outro candidato”.

Crédito:Reprodução / Câmara / TV Meio Norte


Enquanto fazia entrevistas no estacionamento da Câmara de Vereadores de Teresina, a jornalista foi abordada por Luiz Lobão de forma agressiva. Ela relatou o episódio nas redes sociais.


“Eu vivi uma experiência dura de ser mulher e jornalista. Eu estava na Câmara de Teresina, gravando entrevistas, conversando com as fontes, quando este vereador me abordou de maneira agressiva e violenta verbalmente. Ele disse que assistiu ao programa e que eu estava mentindo sobre ele. Respondi que não era mentira e sim uma informação de bastidores apurada com uma fonte do próprio partido dele. A partir daí, o vereador começou a gritar e ficou bastante alterado”, disse.


E continuou: “O vereador entrou no carro dirigido pelo motorista dele e continuou gritando que não era para eu falar dele. Perguntei se era alguma ameaça e ele continuou repetindo. Ficou gritando coisas como: ‘Não faça eu perder o respeito por você’. Por incrível que pareça, ele desceu do carro e veio atrás de mim”.


Sávia Barreto conta que teve medo de ser agredida fisicamente, e classifica o episódio como uma violência machista. Ela acredita que a presença do vereador Joaquim do Arroz ao seu lado impediu que algo mais sério acontecesse.


Repúdio


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Piauí, a Federação Nacional dos Jornalistas, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo e a Associação Brasileira de Imprensa manifestaram indignação e repúdio em relação ao episódio.


“Ataques como este a jornalistas é uma violência à liberdade de imprensa, às mulheres e à democracia. Isso mostra que a violência de gênero se faz presente em todas as camadas sociais, constituindo uma das principais formas de violação de direitos, de ameaça à integridade física, psicológica e moral. Essa prática se manifesta tanto no espaço público como no privado. No caso da jornalista Sávia Barreto ocorreu no estacionamento da Câmara de Vereadores de Teresina”, diz nota publicada pelo Sindicato e compartilhada pelas demais entidades.


“Enquanto entidades sindicais da categoria, cobramos e exigimos da presidência da Câmara Municipal de Teresina, de cada vereador e vereadora, que o caso seja apurado e tomado providências desse ato agressivo e ameaçador da parte do vereador Luiz Lobão”, cobram.


“O legislativo municipal não pode ser conivente com ações que buscam intimidar, ameaçar e silenciar profissionais da imprensa. (...) Lembramos que os Estados e municípios têm a obrigação de prevenir, proteger e evitar ataques contra jornalistas e defensores dos direitos humanos, acrescentando também que essa obrigação inclui a garantia de um ambiente seguro, em todos os espaços, para mulheres comunicadoras”.


Pedido de desculpas


Luiz Lobão emitiu nota em que pede desculpas à jornalista e afirma defender a liberdade de imprensa, o jornalismo responsável e democrático.


“O vereador Luiz Lobão vem a público esclarecer os fatos relacionados às acusações de ameaças e intimidações contra a jornalista Sávia Barreto e desculpar-se com a jornalista por tê-la feito sentir-se, de alguma forma, ofendida por ele. Reforça ainda que não faz parte de sua história pessoal ou profissional quaisquer atitudes desrespeitosas a profissionais da imprensa, principalmente as mulheres. No encontro relatado pela jornalista houve um diálogo sobre o cotidiano da política local, inclusive sobre sua relação com o seu partido, mas que, em momento algum, houve a intenção de desrespeitá-la, tendo buscado, tão somente, restabelecer a verdade”, afirma o texto.


“O vereador destaca que, investido na condição de agente público, defende a liberdade de imprensa e a livre manifestação do pensamento. Assim, acredita que, embora jornalistas se alimentem de fontes - mesmo que preservadas - suas informações devem ser checadas, respeitando o contraditório. E será esse tipo de jornalismo responsável e democrático que continuará defendendo”, completa.


Leia também:


PGR descarta crime de constrangimento ilegal em ataque verbal de Bolsonaro a jornalista


Na era da polarização da opinião, TV americana lança telejornal que promete ‘não ter ponto de vista’