Acusado de decapitar jornalista do WSJ pode ser solto no Paquistão

Redação Portal IMPRENSA | 02/04/2020 17:58
Reportagem da AFP informa que um tribunal do Paquistão anulou nesta quinta (2) a sentença de morte contra Ahmed Omar Saeed Sheikh, condenado pelo assassinato do jornalista americano Daniel Pearl, em 2002.

Preso desde então, Sheikh pode ser liberado em breve.

O jornalista era diretor da sucursal do Wall Street Journal para o sudeste asiático quando foi sequestrado e decapitado
Crédito: Reprodução AFP

O crime foi motivado por investigações do jornalista sobre a atuação de militantes islâmicos. O vídeo da decapitação chegou a ser entregue ao consulado dos Estados Unidos no Paquistão cerca de um mês depois do assassinato.

Sheikh foi condenado à morte e outros três acusados receberam pena de prisão perpétua.

Em 2011 um relatório publicado pelo Projeto Pearl, da Universidade de Georgetown, Estados Unidos, indicou que os verdadeiros assassinos do jornalista não haviam sido condenados pelo crime.

De acordo com o relatório, Pearl foi assassinado por Khalid Sheikh Mohammad, e não por Ahmed Omar Saeed Sheikh.

Considerado um dos autores intelectuais dos ataques de 11 de setembro, Mohammad foi detido no Paquistão em 2003 e está preso na base naval americana de Guantánamo. Lá ele teria confessado a decapitação do jornalista do Wall Street Journal.

Leia também
Paquistão prende suspeito do assassinato de jornalista americano em 2002
Presidente do Paquistão vai investigar mortes de jornalistas