Dia das Mulheres inspira debate sobre desigualdade de gênero no jornalismo

Redação Portal IMPRENSA | 06/03/2020 11:06
A aproximação do Dia Internacional da Mulher, celebrado neste domingo (8 de março), inspirou iniciativas voltadas não apenas a uma justa homenagem às mulheres jornalistas - que representam 58% dos jornalistas brasileiros de 20 a 29 anos e 64% dos estudantes dos cursos de jornalismo do país (Censo de 2010 do IBGE).

A data também está sendo aproveitada para defender a igualdade de gênero na profissão e até mesmo a integridade (física e moral) das jornalistas que atuam nas redações e assessorias de imprensa do país.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SINDJORS), por exemplo, publicou em suas mídias sociais um dado impactante sobre desigualdade salarial no jornalismo brasileiro em função de gênero.
Em 2010, mulheres representavam 58% dos jornalistas brasileiros de 20 a 29 anos e 64% dos estudantes de jornalismo do país

De acordo com a postagem, 61,5% das jornalistas mulheres já ganharam menos do que colegas homens, mesmo exercendo a mesma função.

A fonte da informação é a pesquisa Desigualdade de Gênero no Jornalismo, divulgada em 2017 pelo Coletivo de Mulheres do Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal (SJPDF). 

Outro dado preocupante do mesmo estudo diz respeito às estatísticas de assédio moral contra mulheres nas redações. 

Das 535 jornalistas entrevistadas, 417 (77,9%) disseram ter sofrido algum tipo de assédio moral de colegas ou chefes. 

Em outros quesitos, quase 80% responderam que já enfrentaram atitudes machistas durante entrevistas com fontes e mais de 70% já haviam sido preteridas para uma pauta simplesmente por serem mulheres.    

Para quem quiser saber mais sobre as relações de gênero no jornalismo, outra boa dica é o material desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa Jornalismo e Gênero, vinculado ao Mestrado em Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG-PR).