EUA impõem novas regras às sucursais da imprensa chinesa

Redação Portal IMPRENSA | 19/02/2020 09:33
Os veículos da mídia estatal chinesa instalados nos Estados Unidos serão tratados como missões diplomáticas. A partir de agora, as empresas precisam da aprovação do Departamento de Estado americano para comprar imóveis nos Estados Unidos e devem enviar listas de todos os seus funcionários, incluindo cidadãos americanos.

Crédito:AP Photo / Ng Han Guan, Poo
A China classificou como “inaceitáveis” as novas regras. “Os Estados Unidos sempre defenderam a liberdade de imprensa, mas interferem e dificultam o bom funcionamento da mídia chinesa nos Estados Unidos. Nos reservamos o direito de uma resposta no âmbito da questão”, disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang. 

Cinco veículos se comunicação serão afetados pelas novas regras:  a agência de notícias Xinhua, a China Global Television Network (CGTN),  a Rádio Internacional da China, os distribuidores do jornal oficial chinês Diário do Povo e o China Daily, outro jornal do Partido Comunista Chinês, mas publicado em inglês.

Dois funcionários graduados de Washington disseram que a que a decisão é uma resposta ao fato de o presidente chinês, Xi Jinping, estar fazendo um uso mais agressivo da mídia estatal para espalhar propaganda pró-Pequim.

O Departamento de Estado afirmou, no entanto, não vai aplicar nenhuma restrição às atividades jornalísticas chinesas em território americano.

Leia também:
Extradição de Assange representa ameaça para jornalistas de todo o mundo, diz RSF
Falta de protestos a banimento da CNN de almoço de Trump com imprensa gera críticas