Intimado a depor em inquérito do STF, Allan dos Santos não comparece

Redação Portal IMPRENSA | 29/01/2020 11:08
Intimado a depor pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no âmbito do inquérito das fake news (que investiga a propagação de notícias falsas contra os ministros da Corte), o fundador do site Terça Livre, Allan dos Santos, não compareceu.

O jornalista teria que depor nesta terça (28). No Twitter ele afirmou que seus advogados não tiveram acesso aos autos, e que por isso ele não foi. Na mesma rede social, a hashtag #AllanNoSTFnao ficou no trending topics, com mais de 18.000 publicações.

Notório apoiador de Bolsonaro, Allan também disse que "se o legislativo não agir", seus advogados acionarão a Comissão da Corte Interamericana de Direitos Humanos "por violação ao Pacto de São José da Costa Rica".
Crédito:Reprodução Twitter
No Twitter, Allan dos Santos fez críticas a intimação para depor

Ele reclamou que a intimação foi feita sem que seus advogados soubessem "nada sobre o inquérito". O fundador do Terça Livre também publicou a frase “O STF está chateadinho” sobre a foto de sua intimação. 

Propagador de notícias falsas

Aberto no começo do ano passado pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, sem pedido do MPF (Ministério Público Federal), o inquérito das fake news no STF teve o arquivamento defendido pela ex-procuradora-geral Raquel Dodge. Mas esse pedido foi negado pelo ministro Alexandre de Moraes.

Considerado bolsonarista, Allan dos Santos já depôs à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das Fake News no Congresso Nacional, quando congressistas chegaram a apontar o jornalista como responsável pela divulgação de notícias falsas nos canais do Terça Livre.