Jornalista francês é preso após divulgar presença de Macron em teatro de Paris

Redação Portal IMPRENSA | 20/01/2020 18:49
O jornalista Taha Bouhafs, detido na França por ter publicado em suas redes sociais uma mensagem informando a presença do presidente Emmanuel Macron em um teatro de Paris, foi libertado no sábado (18/01) à noite, após ter ficado cerca de 18 horas detido. 

“Tudo isso é ridículo”, disse, após deixar a corte. 

Crédito:Reprodução
A publicação de Bouhafs fez com que dezenas de manifestantes contrários à reforma da Previdência francesa se reunissem do lado de fora do teatro para pedir a renúncia do presidente. A proposta do governo de mudanças nas aposentadorias é alvo de protestos na França há mais de um mês. 

Macron estava acompanhado de sua esposa, Brigitte, e precisou deixar o teatro escoltado pela polícia. 

Bouhafs é funcionário do site "Là-bas si j'y suis", que é considerado pela legislação francesa como um veículo de imprensa.

Também ativista político, o jornalista de 22 anos disputou as eleições legislativas de 2017 pela coalizão esquerdista La France Insoumise (a França Insubmissa).

Nas últimas semanas, greves, paralisações nos transportes e até o bloqueio da entrada ao Museu do Louvre foram organizados por sindicatos para barrar a proposta de reforma da Previdência do governo Macron

O jornalista foi acusado de "participar de um grupo formado com o fim de cometer violência ou degradação", crime sujeito a pena de um ano de prisão.

Leia também:
Repórter fotográfico venezuelano é libertado após 16 meses em prisão militar
Empresário preso sugere envolvimento de primeiro-ministro em morte de jornalista