Marido de Glenn Greenwald recebe ameaças de morte

Redação Portal IMPRENSA | 17/06/2019 23:28
De acordo com reportagem veiculada pelo Jornal Nacional neste dia 17, o deputado David Miranda (PSOL-RJ), marido do jornalista  Gleen Greewald, fundador do site The Intercept Brasil,.entregou e-mails com ameaças de morte feitas a ele e à família à Polícia Federal. O site The Intercept Brasil divulgou troca de mensagens atribuídas ao ministro Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato que sugerem falta de equidade do ministro durante processos da operação.

Crédito: Reprodução/ Jornal Nacional
Deputado David Miranda


Miranda diz que foi a segunda vez que teve recorrer à polícia para se proteger. Em março, ele já tinha feito denúncia à PF por e-mails ameaçadores que recebeu quando assumiu o cargo de deputado em substituição a Jean Wyllys, que abriu mão do mandato e foi embora do Brasil, também por causa de ameaças à família.

De acordo com a reportagem, o deputado disse que, desta vez, as ameaças surgiram depois das publicações pelo site The Intercept de conversas atribuídas a Sérgio Moro e integrantes da força-tarefa da Lava Jato, quando Moro ainda era juiz.

“É uma coisa muito bárbara, a polícia precisa encontrar essas pessoas que estão aí, porque o conteúdo dessas mensagens mostra que essas pessoas são muito, muito doentes, e vão acabar fazendo isso com qualquer pessoa na sociedade ou nós parlamentares no exercício do mandato. Tomei medidas de segurança para mim e para minha família em todos os meios possíveis, inclusive internet. Meu celular esta semana não está pegando, eu posso fazer ligação, mas não posso receber ligação. Estou modificando todos os meus aparelhos eletrônicos porque está vindo um bombardeio aí, que a gente já sabe, de um certo grupo extremista que realmente não quer que a gente continue fazendo o nosso trabalho”, declarou Miranda em entrevista ao Jornal Nacional.

O ministro da Justiça se ofereceu para ir à Comissão de Constituição e Justiça do Senado na quarta-feira (19) para falar sobre as conversas atribuídas a ele e a integrantes do Ministério Público Federal. Também tem audiência marcada para a semana que vem na Câmara para falar sobre o mesmo assunto. O site Intercept afirma que estas conversas mostrariam que Moro não foi imparcial no processo que julgou e condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia também: