Negociação entre bancos e interessados na Abril chega a impasse, diz jornal

Redação Portal IMPRENSA | 13/02/2019 15:38

As negociações entre os bancos credores e os interessados em assumir o Grupo Abril colocam em risco o futuro da editora. De acordo com informações obtidas pelo jornal Folha de S. Paulo, os credores não gostaram das propostas apresentadas pelos investidores para a aquisição da dívida financeira do grupo. 

Crédito: Divulgação/Abril

A Abril deve cerca de R$ 1,6 bilhão, sendo que cerca de R$ 90 milhões correspondem a débitos trabalhistas. Os bancos Itaú, Bradesco e Santander são os maiores credores. 


Em agosto de 2018, o pedido de recuperação judicial do grupo foi aprovado. No fim do ano, foi divulgado um acordo de venda para o empresário Fábio Carvalho


Isso, porém, não resolve os problemas da empresa porque o plano de recuperação precisa ser aprovado e o credor principal terá a maior força nessa decisão. Caso a aprovação não seja obtida, a falência da Abril pode até ser decretada. 


De acordo com a Folha, já foram apresentadas três propostas. A da Enforce, que pertence ao BTG, parceiro de Carvalho na negociação, prevê o pagamento de 8% do crédito, mas não inclui participação na venda posterior de ativos. A da Jive Asset Management acena com pagamento de 3% do crédito e 20% da venda de ativos. 


A terceira proposta é da Guilder Capital, em parceria com um grupo de empresários. Seria criada uma fundação para administrar a Abril. Os credores receberiam o valor simbólico de R$ 1 mil e os ex-funcionários seriam os primeiros a receber com a venda de ativos. Os bancos receberiam ao longo dos anos caso a empresa consiga se recuperar.


Leia também:
Editoras pedem que Cade reavalie decisão sobre venda da Abril

Cade aprova venda do Grupo Abril ao empresário Fábio Carvalho