"Este prêmio é uma grande honra", celebra Lucas Mendes ao receber o Moors Cabot

Vanessa Gonçalves | 14/10/2015 10:00

O jornalista Lucas Mendes, da GloboNews, receberá nesta quarta-feira (14/10) o prêmio Maria Moors Cabot, da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. A premiação homenageia profissionais que se destacaram na cobertura sobre a América Latina e o Caribe.


Crédito:Globo/ Leandro Justen  
Lucas Mendes tem quase 50 anos de jornalismo

Os vencedores receberão medalhas de ouro e um prêmio de US$ 5 mil, em cerimônia realizada em Nova York (EUA). Mendes é editor-executivo e um dos apresentadores do "Manhattan Connection".


Além do brasileiro serão homenageados os jornalistas Raúl Peñaranda, do PáginaSiete da Bolívia; Simon Romero, do The New York Times; e Mark Stevenson, da Associated Press. Ernesto Londoño, do The New York Times, receberá menção especial.


À IMPRENSA, Lucas Mendes comenta sobre o reconhecimento em um dos prêmios mais antigos de jornalismo do mundo, sua visão do Brasil a partir do exterior e o futuro do jornalismo em meio à crise no setor. Acompanhe:



IMPRENSA: O que representa para o senhor ganhar um dos prêmios mais importantes de jornalismo?

LUCAS MENDES: Este prêmio é uma grande honra e me coloca em companhia de pessoas que contribuíram mais do que eu. Tem tanto prestígio na América Latina que um jornalista peruano me felicitou por ter ganhado o Oscar do jornalismo.

 

O Moors Cabot é entregue aos jornalistas que se destacaram em suas coberturas na América Latina e Caribe. Avaliando seu trabalho recente, o que destacaria?

Na realidade, a intenção original do prêmio não é bem pelas coberturas na América Latina e Caribe, mas pela “contribuição para democracia, diálogo e entendimento nas Américas” . Eu suponho que meus quase 50 anos de reportagens para TV Globo, TV Cultura, revistas  BBC e os 23 anos de ‘Manhattan Connection’ foram  levados em consideração pelos curadores deste prêmio .

 

O senhor atua fora do Brasil e tem contato com a cobertura internacional sobre o país. Acredita que o otimismo com relação ao país diminuiu?

O otimismo com relação ao Brasil foi por água abaixo. Não sei quanto tempo vai ficar por lá, mas aposto que vai voltar. Se tivesse mais dinheiro e menos idade, compraria reais. Com o estrago que foi feito e a turma que está aí, pode demorar mais do que eu posso esperar.

 

Existe atualmente uma polarização na cobertura política pró e contra governo. Como avalia isso? Acredita que a isenção ainda existe na mídia nacional?

Eu leio O Globo, Veja e Folha de S. Paulo todos os dias, assisto aos jornais e acho que nossa mídia é boa e isenta, mas não tenho nenhuma competência para falar sobre a mídia pró-governo. Por favor, me diga o que devo ler a favor do Congresso e da presidente Dilma.

 

Tem-se falado muito que a imprensa "está forçando" a saída da presidente Dilma. Como vê o papel dos jornalistas na análise do atual cenário?

Com disse antes, acho o jornalismo equilibradíssimo diante dos absurdos que acontecem em Brasília.

 

Olhar o Brasil de fora contribui para uma análise mais equilibrada do país?

Morando fora, não me acho mais nem menos qualificado para dizer que Brasília é pavorosa.

 

Com tantas demissões e fechamento de veículos, como avalia o futuro da mídia no Brasil?

O futuro da mídia é sombrio no mundo inteiro. Não sabemos o que vai acontecer com a mídia impressa nem com a digital. O jornalismo hoje, graças à internet, tem menos prestígio, valor e remuneração. Quando saí do Brasil, um subeditor ganhava três mil dólares por mês e vivia bem. O Rio de 68 era uma maravilha para um “foca” como eu na Fatos e Fotos. Meu salário me permitia comer em restaurantes decentes todas as noites, só andar de táxi e fazer extravagâncias semanais  para ver Tom Jobim, outras estrelas da bossa nova e do nosso jornalismo, Francis etc. no Antonio’s e outros pontos quentes no Leblon e em Ipanema onde eu morava, com vista para a Lagoa. Grandes tempos até a brutalidade da ditadura mas que na economia era mais competente e menos corrupta do que a turma que está aí.  


Leia também

- Jornalista da GloboNews ganha prêmio por destaque na cobertura da América Latina
- Durante "Manhattan Connection", Diogo Mainardi "prevê" que Lula será preso em 2015
- Após delação de empreiteiro, Diogo Mainardi diz que Dilma “está morta, só falta enterrar”