Diretor do “Amada Foca” conta como o vídeo na web é um lucrativo modelo de negócio

Christh Lopes* | 18/11/2014 18:00
Nesta terça-feira (18/11), foi a vez do diretor e roteirista Marcelo Botta apresentar a sua experiência como profissional de comunicação no seminário internacional de jornalismo, mídia.JOR. No painel de abertura do segundo dia do evento, ele discorreu sobre o vídeo como modelo de negócio e contou um pouco mais da iniciativa que comanda na internet, o canal de humor “Amada Foca”.

Crédito:Lucas Carvalho
Marcelo Botta, diretor e roteirista do canal Amada Foca

Com a extinção do programa “Furo”, exibido pela MTV Brasil, vislumbra na plataforma digital uma alternativa para continuar a escrever ironias e anedotas sobre o cotidiano. Ao lado dos atores Paulinho Serra, Bento Ribeiro, Bruno Sutter e Daniel Furlan, além do também roteirista Gabriel di Giacomo, produz esquetes que retratam diversas situações inusitadas publicadas no YouTube. 

Um dos filmes da iniciativa chegou a registrar cerca de 3 milhões de visualizações. Com o sucesso do projeto, tem notoriedade para dissertar sobre como aproveitar a convergência de mídias gerada pela rede. É no universo digital que imagem, som e texto se reúnem, sendo necessário saber como utilizar tais recursos para proporcionar margem de lucro com base numa produção de qualidade.

“O ‘Amada Foca’ já é um modelo de negócio. Em um ano fizemos quatro campanhas para dois clientes -  Core Hotéis e Art Enterteinament - que trouxeram resultados positivos, ficaram contentes e que podem voltar a financiar o projeto”, diz Botta à IMPRENSA. Logo mais, em duas semanas, um varejo virtual com o nome da marca, que venderá conteúdos em dvd’s, canecas e até camisas, será lançado. 

A ideia do roteirista é viabilizar a iniciativa financeiramente, alcançando a estabilidade conquistada quando despontou no comando dos principais programas humorísticos da MTV. “Com a Loja da Foca, os recursos proporcionados pelo Google Adsense, e o site, vamos manter uma estrutura girando e mais próximos do formato que desejamos”, declarou Marcelo Botta sobre a iniciativa.

O próximo passo, porém, tem sido minunciosamente analisado. Shows ao vivo, esquetes inovadoras, e produtos qualificados estão na mira do grupo de humor. Uma volta para a televisão, no entanto, é descartada. O diretor afirma que deseja conversar sobre o formato a ser empregado numa eventual emissora, se convidado, e vê com bons olhos a ida do Porta dos Fundos à Fox. 

Os primeiros episódios do coletivo de internet na TV Paga apenas reprisavam conteúdos publicados no YouTube. Tal conceito atrai Botta. “É uma proposta irrecusável, porque você já tem a plataforma digital, e se o canal aceita que isso continue no nosso espaço, é algo positivo, pois vai veicular o que já está pronto, monetizando novamente um conteúdo que já fora capitalizado”, ressalta o roteirista.

“Preferimos não ir para fazer algo monótono. Fazemos hoje o que acreditamos e estamos ligados à fidelização da audiência. A marca tem essa personalidade e não estamos dispostos a fazer qualquer coisa para passar na TV. Já temos uma história legal na TV e estamos a fim de fazer história na internet. Somos gratos a este meio, porém, passamos pelo glamour advindo pela TV”, acrescenta.

Considerada como um “fenômeno” pelo roteirista, Khéfera tem três milhões de inscritos na internet e chamou a atenção de emissoras pelo fato de atrair a atenção de jovens. O formato que mantém na web e que despertou o anseio de donos da mídia, contudo, não foi empregado. Suas passagens em dois canais televisivos não alcançaram o potencial visto no momento em que fechara seu contrato.

"Entrar para ser dirigida por um produto televisivo é um contrassenso. Se for para TV, faça algo legal e para marcar. Reinvente!", alerta o diretor. O atual trabalho de Marcelo Botta é estabilizar a iniciativa como rentável. Porém, ele lembra com carinho a saída da MTV. “Era um clima de desespero, pois ali estava à história do Brasil, trabalhávamos no antigo prédio da TV Tupi”, diz.

Ao comentar o fim da emissora, Botta ironiza o sentimento compartilhado pelos funcionários do canal e colegas que prestavam serviços para o veículo de mídia segmentado. “Estávamos num ‘Titanic’ e queríamos continuar tocando violino, por isso, escapamos por um bote. Hoje, queremos manter este boiando e viajando sobre o mar”, brincou, lembrando a parceria dos amigos de viagem.

Foram os parceiros do roteirista que montaram o canal de humor “Amada Foca”, que desponta como mais um modelo de negócio a ser aproveitado como exemplo para quem deseja desenvolver, na plataforma digital, um espaço para disseminar conteúdos. Confira o site e canais da marca.

Sobre o mídia.JOR

Seminário de comunicação que discute o presente e o futuro da imprensa no país e no mundo, atualizando os paradigmas da comunicação à luz do novo cenário social, tecnológico, político e econômico.É uma referência para profissionais das redações e das assessorias de comunicação, pensadores e pesquisadores de jornalismo, estudantes e professores, e para a sociedade civil que se interessa por jornalismo,comunicação e novas tecnologias. As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas.


Leia também