ESPN renova contrato com jornalistas; emissora é alvo de polêmicas nos EUA

Redação Portal IMPRENSA | 15/09/2017 11:24
De olho no calendário esportivo de 2018, a ESPN renovou o contrato de mais de 10 profissionais de sua equipe de jornalismo. Alex Tseng, André Kfouri, Ari Aguiar, Bruno Vicari, Gustavo Hofman, João Castelo Branco, Leonardo Bertozzi e Rafael Oliveira estão entre eles. 
Crédito:Divulgação ESPN
Já no setor de transmissão de esportes americanos, a ESPN também renovou com os comentaristas Antony Curti (NFL) e Sergio Prado (Poker), as informações são do jornalista Flávio Ricco. 

Polêmica 

Na tarde de quarta-feira (14), a Casa Branca afirmou que a jornalista da ESPN nos Estados Unidos, Jemele Hill, deveria ser demitida por conta de suas declarações no Twitter, que acusavam o presidente Donald Trump de ser supremacista branco.  

"É um dos comentários mais escandalosos que se pode fazer e acho que para a ESPN certamente este é um motivo de demissão", comentou a porta-voz da presidência, Sarah Huckabee Sanders, sobre a mensagem de Jemele. Conservadores americanos também criticam o canal por seus comentários “demasiadamente políticos”.

Segundo a AFP, desde a semana passada a ESPN, que pertence à Disney, está lidando com a repercussão negativa dos comentários da apresentadora. Em um comunicado, a emissora afirmou que as afirmações de Jemele "não refletem a posição da ESPN", assegurando que a jornalista tinha "reconhecido que seu ato estava fora de lugar". 

A polêmica acontece em um momento em que o presidente é acusado de não ter sido firme o suficiente durante o episódio da manifestação com membros neonazistas em Charlottesville, em agosto. A passeata culminou na morte de uma mulher de 32 anos, atropelada por um simpatizante de extrema direita. 

Saiba mais: