Público feminino é alvo de nova plataforma de conteúdo da ESPN

Redação Portal IMPRENSA | 09/03/2016 15:15



Qualquer mulher que tenha frequentado ao menos uma vez um estádio de futebol com certeza já ouviu pérolas como: “Mulher não entende de futebol! “, “Ei, bandeirinha, vai lavar louça!”, “Gostosa, gostosa, gostosa!”. Afinal, os esportes em geral são entendidos por muitos como coisa para homem. Ledo engano!

Compreendendo a ascensão feminina nos campos, quadras e ginásios seja nas arquibancadas ou praticando as modalidades, a ESPN Brasil lançou no Dia Internacional da Mulher o portal espnW, uma plataforma digital esportiva com foco no público feminino. 

Crédito:Divulgação
Sarah Buchwitz, Head de Marketing da ESPN

A página tem como objetivo fomentar o esporte feminino brasileiro, bem como o interesse das mulheres pelo mundo dos esportes. A ideia é não restringir o conteúdo apenas às competições a atletas de alto rendimento, mas dar suporte também para as mulheres que se preocupam em praticar atividades físicas de forma amadora.

À IMPRENSA, Sarah Buchwitz, Head de Marketing da ESPN, revela que esse modelo de portal já existe nos EUA desde 2010. “Resolvemos trazer para o Brasil agora porque percebemos o crescimento e um maior interesse do público feminino por esportes. Como é feito sob a ótica da mulher e com conteúdo relevante para ela, demorou um pouco mais de tempo para chegar no mercado, pois queríamos entender ao máximo qual o olhar da mulher nesse mundo do esporte”.

A realidade é que o perfil dos fãs de esporte no mercado brasileiro está mudando. A audiência das mulheres nos canais esportivos possui um número crescente e a ESPN entendeu que era chegado o momento de dedicar um espaço exclusivo para seu público feminino.

“Hoje, só no site ESPN.com temos mais de 600 mil acessos femininos. Temos um público cativo que gosta de esporte e a expectativa é que esse número cresça ainda mais agora com um conteúdo específico e relevante para esse target”, explica Sarah. 

Não é de hoje que a emissora fala de esportes e de atletas femininos. Desde que chegou ao país a ESPN exibe competições esportivas femininas como handebol, basquete, judô etc. Dessa forma, o conteúdo feminino não é novidade no canal. “A grande novidade agora é separá-lo e colocá-lo sob a ótica feminina”, garante a executiva de marketing.

PIONEIRO

Primeiro portal brasileiro para atender este público, o espnW oferece conteúdo relevante produzido sob a ótica feminina com a credibilidade da marca ESPN.

Dividido em quatro áreas — notícias, lifestyle, especiais e blogs —, a plataforma ainda reunirá um time de mulheres relacionadas ao mundo esportivo nas mais diferentes áreas como medicina, fisioterapia, nutrição, preparação física e psicologia, além de profissionais liberais, autônomas e mães que comentarão a respeito de sua relação com o esporte em meio aos variados compromissos do cotidiano.

Crédito:Reprodução
Página é feito essencialmente por mulheres

Para apresentar esse conteúdo sob o olhar feminino, a emissora escalou um time de comentaristas e ex-atletas Olímpicas como Magic Paula (basquete), Ana Moser (vôlei), Flavia Delaroli (natação), Juliana Cabral, (futebol), Daniele Zangrando (judô). Além delas, as jornalistas do canal, como apresentadora Juliana Veiga e a repórter Gabriela Moreira, também serão responsáveis pela produção de reportagens.

Para Sarah Buchwitz, o grande diferencial é que o espnW será um portal com conteúdo sob a ótica feminina. “A grande maioria do conteúdo será feito por mulheres e para mulheres, sempre focando em colocar a relação da mulher com o esporte sob um novo olhar”.

O know how para isso vem da própria experiência da emissora com a interação das mulheres em seus canais. Porém, a ESPN ressalta que a plataforma não chega não mercado para levantar bandeiras. A ideia é a inclusão da mulher no meio esportivo.

“É importante ressaltar que não chegamos ao mercado para levantar bandeiras, queremos fazer essa conexão com o público que gosta de assistir aos eventos esportivos, mas que também gosta de praticar esportes.  Será um universo bem amplo para a mulher ligada em esportes”, defende a executiva.

Nessa onda de contribuir para o empoderamento do público feminino, o papel do espnW será “destacar a mulher no esporte, mostrando sua relevância. A ideia não segregar homens e mulheres. A ideia é incluir e valorizar as mulheres no esporte”.

CAMPANHA

O lançamento do portal veio acompanhado de uma campanha criada pela agência Africa. Intitulada “Invisible Players” (“Atletas Invisíveis”, em tradução livre), a ação testa o conhecimento de homens e mulheres sobre lances de diversas modalidades, para que eles identifiquem os atletas responsáveis por tais jogadas. 

Crédito:Divulgação
Campanha reforça necessidade de enaltecer mulheres no esporte

De forma surpreendente, nenhum dos entrevistados do filme citou nomes de mulheres, comprovando assim a necessidade de um veículo que mostre a relevância das atletas do sexo feminino. 

Sergio Gordilho, CCO e copresidente da Africa, defende que “para a ESPN, o esporte vai além do entretenimento, é uma ferramenta de transformação. A campanha reflete exatamente isso”.

Além do filme que será exibido durante a programação do canal, a ação terá peças no YouTube, redes sociais e off-line. Com o mote “Você pode até saber um pouco sobre esporte, mas precisa aprender muito ainda sobre o poder das mulheres”, a ideia é convidar o público feminino a aderir ao portal. 


Assista ao vídeo:





#Mulheresqueinspiram