Em nota, Editora Atitude critica matéria do "Estadão" baseada em relatório da Lava Jato

Redação Portal IMPRENSA | 23/07/2015 10:00
Em nota publicada na última quarta-feira (22/7), a Editora gráfica Atitude criticou a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, baseada no relatório de inteligência financeira da Operação Lava Jato, produzido pelo Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf). O documento aponta que a empresa teria sido usada para captar propina para o Partido dos Trabalhadores (PT) entre junho de 2010 e abril de 2015.  

Crédito:Agência Brasil
Gráfica criticou reportagem que afirma que empresa repassou dinheiro para Vaccari
O Estadão informa que, segundo o documento, a editora pode ter movimentado R$ 67,7 milhões nesses cinco anos. Além disso, diz que que a empresa, controlada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, é alvo de uma investigação que também envolve o ex-tesoureiro João Vaccari Neto – preso desde abril deste ano – e a construtora Odebrecht.

"Não é a primeira em que, de maneira enviesada e manipuladora, o jornal tenta desqualificar uma empresa de comunicação de esquerda e, ao mesmo tempo, produzir informação sensacionalista baseada em interesses políticos alinhados com o jornal, e não nos fatos", diz o texto publicado no portal Rede Brasil Atual, mantido pela editora.

A publicação diz que nenhum dos documentos sustenta a intenção da manchete de "criminalizar a editora". Também reforça o caráter "confidencial" dos relatórios, caso de vazamento seletivo e privilegiado de informação a ser investigado pelas autoridades "por um veículo tradicionalmente hostil aos movimentos sociais". 

"A direção da Editora Atitude lamenta que uma imprensa tão zelosa em ocultar com tarjas pretas siglas e nomes de pessoas citadas em investigações da PF, com as quais nutre identidade partidária ou de classe – não tenha o mesmo zelo com informações de caráter privado de pessoas com reputação, papel social e profissional respeitável", destacou.

A Atitude reforçou a sua origem independente, afirmou que todas as receitas e despesas da empresa são destinadas para a produção de material jornalístico e criticou as "inverdades" publicadas pelo site.
 
Leia também