“Como é bom rir no trabalho”, por Roberta Lippi

Opinião

Roberta Lippi | 23/05/2022 16:33

Eu estava mesmo planejando escrever sobre a volta ao escritório, já que na empresa em que trabalho demos um passo definitivo rumo ao modelo híbrido: de uma vez por semana, que vínhamos fazendo desde o arrefecimento da pandemia, passamos para uma média de duas a três vezes semanais em formato presencial. E por coincidência, exatamente enquanto pensava sobre o assunto, me deparei com um texto de 2018, publicado na revista Harvard Business Review, que fala sobre os “benefícios de rir no escritório”. Taí, esse é um dos motivos que mais me faz gostar dessa volta: a integração e a descontração. 


Por mais que tenha me acostumado a trabalhar de casa durante a pandemia e goste de muitos dos benefícios que a flexibilidade nos proporciona, já fazia um tempo que passar a maior parte da semana presa dentro de casa estava me deixando desanimada. Confesso que eu estava me sentindo sozinha. Sou daquelas que gosta de gente, que prefere conversar olhando nos olhos e não por meio de chats ou reuniões online. E, mais do que tudo, adoro uma palhaçada, falar bobagens, sair pra almoçar com a turma. Agora que voltamos, me dei ainda mais conta do quanto isso tudo estava me fazendo falta. 


Crédito:Freepik

No artigo da Harvard Business Review, a autora Betty-Ann Heggie comenta sobre sua gargalhada espontânea e o receio que sempre teve de causar desconforto em situações profissionais. Quando resolveu assumir sua personalidade, percebeu que sua risada um pouco escandalosa se tornou parte de sua assinatura e que ela fazia bem para a equipe ao redor. Para comprovar essa tese, ela traz alguns estudos realizados por instituições de peso como Wharton, MIT e London Business School que mostram que o riso traz, inclusive, benefícios comerciais. O riso alivia o estresse e o tédio, aumenta o engajamento e o bem-estar e estimula não apenas a criatividade e a colaboração, mas também a precisão analítica e a produtividade. 


De fato, ando muito mais feliz e animada com o trabalho desde que comecei a estar mais presente fisicamente no escritório, cercada pelo meu time – que, também devo ressaltar essa sorte, é competente, inteligente, do bem e maravilhosamente divertido.  O espaço físico voltou a ganhar vida, conversas, risadas, está cheio de comidinhas, chocolates e até flores de verdade. Estamos aprendendo a lidar com ele ainda, mas estou adorando esse modelo híbrido, admito. 


Vou sempre me apoiar nessa tese de que o riso (desde que respeitoso, é claro) faz bem pra saúde e contagia. Simplesmente porque é fácil sentir esse efeito na prática. Um grupo de pesquisadores chegou a descobrir que logo depois de assistir a um vídeo de comédia, os funcionários foram 10% mais produtivos do que seus pares –, assim como está mais do que comprovado que pessoas mau humoradas ou estressadas também contaminam de uma forma negativa o ambiente. 


Como disse o professor Carl Marci, da Escola de Medicina de Harvard, “o riso é um sinal social entre os humanos. É como um sinal de pontuação.” Certamente melhores e mais leves são os dias no trabalho se forem acompanhados de muitos pontos de exclamação. 


Crédito:Arquivo Pessoal


*Roberta Lippi é sócia da Brunswick Group, consultoria internacional de comunicação estratégica. Jornalista com pós-graduação em gestão empresarial pelo Insper e especialização em comunicação internacional pela Universidade de Syracuse/Aberje, tem 25 anos de experiência na área de comunicação, com foco em posicionamento corporativo, mídia, crises, comunicação interna e treinamento de executivos. 







Leia também


“Lideranças também sentem medo diante da crise”, por Roberta Lippi

Pangeia lança plataforma de ESG-Tech em parceria com gigantes da comunicação

'Incomodamos apontando as estupidezes humanas', diz cartunista Santiago