“Precisamos cuidar mais de nós mesmos”, por Roberta Lippi

Opinião

Roberta Lippi | 21/12/2021 16:04

Uma grande amiga minha, Vicky Bloch, consultora e coach de altos executivos, sempre provoca seus clientes a fazerem, nesta época, uma reflexão sobre o ano que passou e os objetivos para o período seguinte. Uma outra amiga muito querida, Daniele Moraes, que vem trabalhando lindamente com o desenvolvimento pessoal de mulheres, me convenceu a participar de um curso chamado Candeeiro, me apresentou técnicas de autoconhecimento e me ensinou sobre a escrita matinal, um processo que estimula a criatividade e ajuda a colocar as coisas em suas devidas caixinhas. 


Com tantas boas influências, decidi então seguir a voz da experiência e parei um tempo para pensar sobre o que tem me movido e também sobre o que vem me paralisando. E vou confessar: a autorreflexão é realmente um exercício poderoso. 


Revisitei minha biografia e algumas histórias da minha vida, resgatei sentimentos que estavam adormecidos e coloquei no papel tudo o que vinha à mente nas escritas matinais. Refleti sobre esses intensos dois anos de pandemia, o que mudou e o que não mudou dentro de mim, as duras e as boas histórias que vivi. E pensei sobre o que gostaria de ver, ter e ser em 2022 e nos anos seguintes. O resultado foi profundo, emocionante e impactante.


Crédito:Freepik
Experimentar um novo olhar sobre mim e minhas escolhas me faz agora querer seguir o compromisso pessoal de ser mais gentil comigo mesma, respeitar meus limites e ficar atenta à grande tendência de me autossabotar – tendência essa que, vale ressaltar, acomete 10 entre 10 mulheres que eu conheço. A partir dessa oportunidade de reflexão, me lembrei que podemos nos cobrar menos e nos jogar mais naquilo que nos faz bem. Que podemos descartar o que é tóxico e buscar relacionamentos e ambientes que nos façam sentir valorizados pelo que somos e não por aquilo que gostariam (ou que nós mesmos gostaríamos) que fôssemos. É fundamental nos mantermos atentos a nossos instintos e sentimentos.


Assim como eu, muita gente se sentiu extremamente cansada neste ano. Quando deveríamos estar dando a volta por cima após o auge da pandemia, pensando na reinvenção e não mais na sobrevivência, nos faltou energia. 


Deixo aqui de recomendação para 2022 que todos se permitam fazer esse exercício de autorreflexão. Dedicar também um tempinho por dia para exercer a escrita solta e criativa organiza pensamentos, alivia a mente e pode trazer grandes ideias. Algo que é muito natural para quem trabalha com comunicação, mas muito pouco utilizado para uso pessoal.


Se a pandemia nos deixou algumas lições, uma delas foi a importância de cuidarmos de nós mesmos e de nossa saúde mental acima de tudo. Estar em equilíbrio nos faz profissionais melhores e pessoas mais felizes. É tudo que sonho para mim e para todos ao meu redor nesse próximo ano. 


Crédito:Arquivo Pessoal


*Roberta Lippi é sócia da Brunswick Group, consultoria internacional de comunicação estratégica. Jornalista com pós-graduação em gestão empresarial pelo Insper e especialização em comunicação internacional pela Universidade de Syracuse/Aberje, tem 25 anos de experiência na área de comunicação, com foco em posicionamento corporativo, mídia, crises, comunicação interna e treinamento de executivos. É membro desde 2015 do Programa Diversidade em Conselho, iniciativa de B3, IBGC, IFC, Spencer Stuart e WCD para ampliar a diversidade em conselhos de administração.  






Leia também

“Dicas para um jovem profissional”, por Roberta Lippi

“Tudo que é cuidado a mulher vai dar conta e jogam uma responsabilidade ainda maior do que a gente já tem”, diz Vanessa Pessoa