“Fechamento do Lance!: o que será das bancas de jornal sem um diário de esportes?”, por Wagner de Alcântara Aragão

Opinião

Wagner de Alcântara Aragão | 22/09/2021 07:07

Duas publicações impressas fizeram parte do meu processo de alfabetização: gibis da Turma da Mônica e A Gazeta Esportiva.


Os gibis, aos domingos. Era um dos passeios do fim de semana: ir com meu pai e minhas irmãs até a banca de jornal do bairro, o Macuco, e escolher entre Chico Bento, Cascão, Cebolinha, Magali – e a própria Mônica.


O jornal, nos úteis. Meu pai trazia, quando chegava do trabalho. A tabela do campeonato, a legenda da foto e das ilustrações e a manchete em garrafais, era por esses elementos gráficos que eu aprimorava a inserção na leitura, obtida na escola.


A Gazeta Esportiva me ajudou a aprender a ler, me fez gostar de esportes e me despertou o interesse pelo Jornalismo.


Assim, quando em 19 de novembro de 2001 circulou a última edição de A Gazeta Esportiva, eu, já foca, senti perder um pedaço.

Crédito:Reprodução

O consumo de notícias online aumentava, dessa forma caía a tiragem, portanto as vendas e as receitas publicitárias. Além disso, havia cinco anos A Gazeta Esportiva enfrentava um concorrente de peso, o Lance!, fundado em 1997.


Por essa razão, confesso (e a Psicologia deve explicar), passei a sentir infantil mágoa daquele tabloide. Racionalmente sabia que não fazia sentido, mas no fundo creditava o fim da minha Gazeta ao diário emergente.


O tempo acalma os ânimos, e hoje, 20 anos depois, sou acometido pelo mesmo lamento por causa do fim dele, o Lance!. Sim, sei, vai continuar na internet, como continuou, e segue até hoje no ar firme e forte, A Gazeta Esportiva. Mas aquele Lance!, de ir buscar na banca no dia seguinte à vitória do Peixe, ler enquanto aguardo o ônibus, esse acabou.


Como acabara, duas décadas atrás, A Gazeta Esportiva com a qual quando criança lambuzava as mãos com a tinta que se soltava do papel, ao passar os dedos sobre as letrinhas, tentando formar as palavras que me (in)formavam.


A Gazeta Esportiva se foi em 2001, o Jornal dos Sports em 2010, o Lance!, suspenso ano passado durante a pandemia, também desaparece de vez.


As bancas de jornal estão órfãs de diários esportivos. O que será delas?


Crédito:Arquivo Pessoal








*Wagner de Alcântara Aragão é doutorando em Comunicação (UFPR), jornalista e professor da rede estadual de educação profissional do Paraná. Mantém um veículo de mídia alternativa (www.redemacuco.com.br), ministra cursos e oficinas nas áreas de Comunicação e realiza projetos culturais.



Leia também

Após acordo com CCTV, TV Cultura anuncia parceria com agência chinesa Xinhua

“Memória do telejornalismo também é vítima do incêndio da Cinemateca e do leilão de fitas da TV Manchete”, por Wagner de Alcântara Aragão

“Medalhas, respeito, dignidade e oportunidade”, por Rafiza Varão