“Decidi me desafiar a abordar um assunto difícil de ser digerido por qualquer um”, diz Débora Oliveira sobre seu TCC

Gisele Sotto, em colaboração | 21/03/2019 14:21
Crédito:Arquivo pessoal
Débora Oliveira considera o TCC o seu trabalho de vida, e foi por meio de “Dizer Adeus” que se reencontrou em todas as perdas que já viveu. Sua história com o luto começou aos sete anos, quando perdeu seu irmão para um tumor no cérebro.

Em formato de webreportagem, o projeto trata sobre as quebras de vínculo geradas a partir da morte, e traz os relatos de pessoas que passaram pelo enlutamento. Conheça aqui a História de TCC de Débora, que se formou em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, e acesse o site do projeto.

Sobre o trabalho

Dizer Adeus é uma webreportagem que tem como principal intuito dar voz para pessoas que passaram ou que ainda estão passando pelo processo de luto. No trabalho, resumi o meu intuito nesse trecho:

“Dizer Adeus” trata sobre a importância de se conversar sobre o luto e respeitá-lo como um sentimento que deve ser vivido, de acordo com a necessidade de casa indivíduo. Mostrando relatos de pessoas que passaram pela perda de um ente querido e, conversando sobre o processo de enlutamento, o site tem como intuito convidar o leitor a compartilhar dos mesmos sentimentos que os entrevistados sentem. Incentiva-se também a procura por formas de expressar o seu próprio luto, seja por meio de comentários nas matérias, de carta, de conversa com amigos e parentes, ou indo em busca de apoio psicológico.

Decidi me desafiar em produzir, escrever, fotografar e editar sobre um assunto que é difícil de ser digerido por qualquer um.
Crédito:Arte com logo do projeto Dizer Adeus


Principais desafios ao longo da produção

Fazer um trabalho de TCC não é fácil. E no meu caso, eu escolhi um tema que dificultava bastante tanto pela escassez de dados sobre o assunto quanto pela falta de abertura das pessoas. Além disso, foi bem difícil conseguir encaixar minha rotina (como eu já trabalhava 8h por dia) com a rotina dos meus entrevistados - a minha primeira entrevista com um especialista na área foi no Rio de Janeiro, então muitos fatores acabaram dificultando essa agenda. Foram muitos cancelamentos de entrevistas, conversas que não renderam e negativas ao longo do caminho, e o comum bloqueio no momento de escrever as histórias.

Os aprendizados

O maior aprendizado com o TCC foi descobrir que eu consigo. Fui da primeira turma do "currículo novo" da minha universidade e, consequentemente, a primeira turma em que todos os alunos realizaram o TCC de maneira individual. Entre a criação de layout, a realização de entrevistas, gravação, edição, fotografia e escrever as reportagens descobri que, quando colocamos foco e amor naquilo, o único resultado é dar certo.
 
Significado dessa experiência

O TCC é meu trabalho de vida, entre os personagens me reencontrei em todas as perdas que já vivi. Assim, o trabalho foi fundamental para meu entendimento como pessoa. Para o universo profissional, trabalhar obrigatoriamente com o multimídia, sozinha, me fez perceber que de fato estava pronta para as novas necessidades do mercado de trabalho.

Conselhos para quem está fazendo o TCC

Definitivamente eu falaria "faça o que te enche os olhos! E principalmente, na área que você gosta de fazer". Não importa se é difícil, se vai te custar algumas noites de sono e te impedir de passar alguns finais de semana com a família. No final dos seis meses ou um ano de produção você vai perceber que valeu. Eu consegui contar a história daquelas pessoas, e talvez fazer a diferença naqueles que leram. Os comentários de quem viu o trabalho, ou que estiveram presentes durante a minha defesa me mostraram que eu fui pelo caminho certo, é a coisa mais satisfatória que pude sentir. Não desistam!


Leia também
“Foi onde aprendi a ser um profissional com mais ‘humanidade’”, destaca Yuri Higuchi sobre seu TCC
TCC sobre o Zika Vírus mantém a causa de famílias pernambucanas em pauta
Quer virar notícia no Portal IMPRENSA? Participe da nova seção Bastidores do Labjor