Coleguinhas: Jornalismo e religião andam juntos para Michelson Borges

Redação Portal IMPRENSA | 07/04/2016 14:15
Crédito:arquivo pessoal
A máxima popular de que futebol, política e religião – esta última em particular – não se discutem cai por terra para Michelson Borges. Jornalista formado pela Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha desde 1998 na Casa Publicadora Brasileira (CPB), empresa pertencente a uma rede mundial de sessenta editoras adventistas que produzem livros e revistas nas áreas de teologia, educação e família. Por lá, passou por diversas editorias até assumir a frente da revista Vida e Saúde.

Quando a CPB ofereceu ao jornalista a oportunidade de fazer uma especialização em teologia e um mestrado na mesma área, ele não pensou duas vezes. Transitando, então, nos dois mundos, criou o blog Criacionismo em 2006. “Na condição de ex-evolucionista e criacionista desde 1991, estava bem inteirado a respeito da controvérsia envolvendo esses dois modelos que lidam com o tema das origens. Entendi que o público deveria ter acesso a esses conteúdos e me propus ‘traduzi-los’”, conta Borges.

A ideia deu muito certo. O blog, hoje filiado à Sociedade Criacionista Brasileira, tem uma média de seis a dez mil acessos diários. São temas relacionados com ciência e religião, sem deixar de lado assuntos sobre saúde, tendências, profecias, sempre sob a ótica criacionista. “O jornalismo é minha ferramenta de trabalho. A teologia permeia os conteúdos que produzo e minha maneira de viver e ser.”

Borges é bastante crítico em relação à cobertura de assuntos sobre religião. Em sua opinião, o que se vê é algo “geralmente enviesado e tendencioso, quando não preconceituoso. Especialmente se o tema for criacionismo”. Há mais de vinte anos, o jornalista coleciona “recortes” de jornais e revistas com reportagens sobre o tema.

“Criacionistas já foram chamados de ignorantes, esquizofrênicos, fundamentalistas e até criminosos. Mas ninguém parece levar em conta que a Igreja Adventista, por exemplo, tem várias universidades espalhadas pelo mundo, com cursos de biologia reconhecidos e centros médicos de renome. A igreja também mantém um centro de pesquisas em geociências, nos Estados Unidos, com paleontólogos, biólogos e geólogos que pesquisam e fazem boa ciência.”