"É uma questão de vida ou morte", diz editorial da Scientific American sobre inédito posicionamento nas eleições dos EUA

Redação Portal IMPRENSA | 15/09/2020 16:15

Com 175 anos, a Scientific American é considerada a revista mensal há mais tempo em circulação nos EUA.


Nesta terça (15), o título referência em divulgação científica publicou um editorial com um posicionamento inédito. 

Pela primeira vez em sua história a Scientific American declarou apoio a um candidato à presidência dos EUA. O escolhido pelo corpo editorial da revista foi o democrata Joe Biden. 

Para justificar a decisão inédita, os editores afirmam que as evidências mostram que, ao rejeitar a ciência, o presidente Donald Trump causou "danos graves aos EUA e a seu povo".
 
Crédito:Reprodução Poliarquia
"O exemplo mais devastador é sua desonesta e inepta resposta à pandemia de covid-19, que causou a morte de 190 mil pessoas nos EUA até o meio de setembro", cita o histórico editorial da Scientific American.

Ainda segundo a revista, a pandemia tem potencial para desestabilizar qualquer nação ou sistema, "mas a rejeição de Trump a evidências científicas e a medidas de saúde pública tem sido catastrófica nos EUA".

A revista também condenou os ataques de Trump aos mecanismos de proteção ambiental e à assistência médica nos EUA, além de ter acusado o presidente pela adoção de um discurso contra pesquisadores e agentes públicos que atuam em favor da ciência.

"É por isso que conclamamos vocês a votarem em Joe Biden, que está oferecendo planos baseados em fatos para proteger nossa saúde, nossa economia e o ambiente", prossegue o editorial. 

Repercussão
Acusando o golpe, rapidamente defensores do governo Trump foram às redes atacar a revista, acusando-a de marxismo e ativismo político.

Por outro lado, muita gente importante saiu em defesa da publicação, inclusive no Brasil. 

Médico, epidemiologista e professor da Faculdade de Medicina da USP, Paulo Lotufo classificou a decisão da Scientific American como "coerente". 

"Não me lembro de Nixon, Reagan, Bush Sr. ou Bush Jr. atacarem as instituições de pesquisa como ocorreu abertamente na gestão Trump", postou Lotufo no Twitter.