Vídeo mostra prisão de repórter enquanto cobria protestos contra assassinato de negros em Los Angeles

Redação Portal Imprensa | 14/09/2020 12:22

Imagens da prisão de uma jornalista que cobria protestos contra o assassinato de negros americanos em ações policiais, em Los Angeles, nos EUA, foram capturadas pela TV ABC7, e compartilhadas na internet. O fato aconteceu na noite de sábado (12) e foi repudiada por profissionais e veículos de imprensa.

Crédito:Reprodução / TV ABC7


O vídeo mostra vários policiais imobilizando Josie Huang no chão e algemando a repórter, que está identificada com crachá. Na gravação da TV ABC7, é possível ver que vários policiais participam da ação. Após algemar a jornalista, eles a colocam na viatura.


Josie Huang escreve para LAist e é repórter da rádio KPCC, afiliada da NPR. Ela foi acusada pelas autoridades de "interferir em uma prisão legal", embora os policiais inicialmente tenham se recusado a informar detalhes da detenção à empresa para onde ela trabalha.


Um delegado do Gabinete de Informações também disse que Huang não usou claramente as credenciais de imprensa, mas ela pode ser vista no vídeo com o crachá.


No Twitter, Huang escreveu que cobria a prisão de um manifestante quando foi detida. “Ontem à noite fui presa e acusada de obstruir um oficial depois de filmar suas ações com os manifestantes em Lynwood. Isso é o que eu lembro e o que tenho em vídeo e áudio”.


Ela continua: “Depois que meu telefone cai, ele continua gravando e captura dois policiais danificando meu telefone ao chutar e pisar nele. Posso me ouvir gritando ao fundo: “Vocês estão me machucando” e “Parem com isso”. Parece muito fora do corpo reproduzir isso”.


A jornalista diz que ficou cerca de cinco horas sob custódia da polícia de Los Angeles e que sofreu alguns ferimentos no momento a prisão.


A NPR condenou a ação em um comunicado divulgado no Twitter. A empresa afirmou que ficou "chocada com a prisão de Josie Huang, uma repórter de rádio pública KPCC, que estava realizando seu trabalho na noite passada - reunindo fatos para informar o público americano".


“Os direitos dos jornalistas são protegidos pela Primeira Emenda e são essenciais para um público informado e nossa democracia”, continuou o NPR.


Em uma declaração obtida pela LAist, o KPCC também pediu que as acusações contra Huang fossem retiradas.


"Oferecemos condolências aos dois xerifes que foram baleados na noite de sábado", disse o KPCC. "Estes são tempos desafiadores e estressantes para todos, mas Josie Huang foi presa enquanto fazia seu trabalho. As acusações deveriam ser retiradas".


"Sua prisão é a última de uma série de interações perturbadoras entre nossos repórteres e alguns policiais locais. Os jornalistas prestam um serviço essencial, fornecendo jornalismo justo, preciso e oportuno e, sem eles, nossa democracia está em risco", acrescentou a estação.


Leia também:


Após mais um repórter assassinado, AMLO reconhece que fazer jornalismo no México tem sido "ato heroico"


No Brasil: projeto de lei do Senado criminaliza atos para impedir trabalho de profissionais da imprensa