Acusados de apoiar atentado a tabloide francês vão a julgamento 5 anos após crime

Redação Portal IMPRENSA | 02/09/2020 16:57
Começou nesta quarta (2), sob forte esquema de segurança, o julgamento dos acusados de apoiar o atentado ao tabloide satírico francês Charlie Hebdo e a um supermercado em Paris.

Os ataques ocorreram em janeiro de 2015 e mataram 17 pessoas, incluindo 10 funcionários do periódico. O crime foi cometido por extremistas islâmicos que acabaram mortos pela polícia. 

Após a ação contra o Charlie Hebdo, uma série de ataques de fundamentalistas islâmicos em território francês deixou ao menos 130 mortos e colocou o país em estado de emergência. 
Crédito:reprodução Charlie Hebdo

O crime traumatizou a França e o julgamento está sendo acompanhado com atenção pela imprensa. Nesta terça, numa capa preta alusiva ao julgamento, a manchete do jornal Libération foi “Para eles, para nós, para a história”. Na mesma linha, o Le Monde afirmou que o julgamento é "para a história". 

O Charlie Hebdo se tornou alvo dos terroristas depois da publicação de charges satirizando o Islã e o profeta Maomé. Para marcar o início do julgamento, nesta terça o tabloide decidiu republicar em sua capa a charge que irritou os extremistas. 

Ao todo estão sendo julgados 14 acusados, com idades entre 29 e 68 anos, de apoiar os extremistas mortos pela polícia. Pelo menos 150 depoimentos de testemunhas estão previstos, num julgamento que deve durar mais de 40 dias. 

A maioria dos réus foi acusada de prestar ajuda logística aos assassinos e deve pegar até 20 anos de prisão. 

Leia também